Crítica e teoria literária

Página 1 de 7 1, 2, 3, 4, 5, 6, 7  Seguinte

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo

Crítica e teoria literária

Mensagem por Mat em Sex Nov 16, 2012 8:35 am

Tópico para falarmos sobre os críticos e teóricos da literatura que apreciamos.
Acredito que seja de opinião geral que a leitura de livros de crítica é algo muito enriquecedor.
Quais são os teóricos que ajudaram na formação intelectual de vocês?
Recomendam algum livro em especial?



Última edição por Mat em Seg Fev 11, 2013 1:23 pm, editado 1 vez(es)

Mat
Guerra e Paz
Guerra e Paz

Mensagens : 2968
Data de inscrição : 12/07/2011
Idade : 26
Localização : Bahia

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Crítica e teoria literária

Mensagem por lavoura em Sex Nov 16, 2012 11:03 am

Bom, não li nenhum livro de crítica. Mas venho me interessando pelo assunto.
Comprei recentemente o "As palavras e as coisas" do Focault para ler. Pretendo ler logo mais,só não sie se tenho capacidade para tal.

Sobre o Edward W. Said, sempre ouvi falar bem dos livros dele. Poderia colocar suas impressões deles?
E O Harold Bloom também quero conhecer algo.

lavoura
Guerra e Paz
Guerra e Paz

Mensagens : 2348
Data de inscrição : 26/06/2012
Idade : 28

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Crítica e teoria literária

Mensagem por Becco em Sex Nov 16, 2012 1:17 pm

Bloom. Laughing

Gosto muito dele:



_________________

Becco
Dostoiévski
Dostoiévski

Mensagens : 2504
Data de inscrição : 11/07/2011
Idade : 37
Localização : Fortaleza - CE

Ver perfil do usuário http://literaturarussa.forumeiros.com/

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Crítica e teoria literária

Mensagem por César em Sex Nov 16, 2012 1:18 pm

Lorenzo Becco escreveu:Bloom. Laughing

Gosto muito dele:


Saiu um livro ai falando que tudo que ele escreveu é plágio Laughing

Bloom Laughing Laughing


Última edição por César em Sex Nov 16, 2012 1:19 pm, editado 1 vez(es)

_________________
http://arecordfullofsournotes.tumblr.com

César
Púchkin
Púchkin

Mensagens : 1792
Data de inscrição : 11/07/2011
Idade : 28
Localização : São Paulo/SP

Ver perfil do usuário http://twitter.com/likeapisces

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Crítica e teoria literária

Mensagem por Mat em Sex Nov 16, 2012 1:18 pm

Lorenzo Becco escreveu:Bloom. Laughing

Qual o problema com o Bloom, Becco?

Galera, antes de sair falando merdas sobre determinados autores/assuntos/livros/traduções, procurem ler antes Wink

http://www.skoob.com.br/livro/250544

Bakhtin Desmascarado
História de um mentiroso, de uma fraude, de um delírio coletivo

Mat
Guerra e Paz
Guerra e Paz

Mensagens : 2968
Data de inscrição : 12/07/2011
Idade : 26
Localização : Bahia

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Crítica e teoria literária

Mensagem por Becco em Dom Nov 18, 2012 7:13 am

Mat escreveu:Qual o problema com o Bloom, Becco?

Bem, pra começar, a melhor coisa dele é A Angústia da Influência, e mesmo assim ele complica um assunto que por si só já é complexo com aquela categorização tirada da cultura grega em Clinamen, Tessera, Kenosis, Askesis, Apófrades e Demonização.
Parecia que ele queria escrever um romance, e não um livro de crítica ou só queria se mostrar [olha como eu li os gregos].

Segundo, ele tem uma visão reducionista da literatura em língua inglesa e, principalmente, da de outros países por causa do seu verdadeiro ENDEUSAMENTO do Shakespeare!
Não, cara, fala sério, TUDO NA PORRA DO MUNDO TEM A VER COM O SHAKESPEARE!
TODO O UNIVERSO É DETERMINANTEMENTE INFLUENCIADO POR SHAKESPEARE!
SE O ESCRITOR NUNCA LEU SHAKESPEARE, MESMO ASSIM É INFLUENCIADO POR QUE ELE LEU OUTROS AUTORES QUE LERAM SHAKESPEARE!
NENHUM AUTOR CHEGA À POEIRA DO SAPATO DE SHAKESPEARE!
TODOS OS AUTORES SÃO PRÉ-MACACAIS SE COMPARADOS A SHAKESPEARE!
SE FOREM LATINOS, ENTÃO, SÃO PRÉ-PROTOZOÁRIOS!
A LÍNGUA INGLESA É A LÍNGUA DO ESPÍRITO SANTO POR QUE FOI A LÍNGUA QUE SHAKESPEARE AJUDOU A FORMAR!

Aí você diz: "Mas ele colocou o Machado no Gêniodele".
Ele colocou o Machado por que, dos autores da América do Sul, ele é sem dúvida o mais influenciado por Shakespeare, o que mais cita Shakespeare em sua obra [vide Dom Casmurro] e o que mais leu e mais escreveu sobre Shakespeare.
E isso nem foi ele que descobriu, foi uma americana chamada Helen Caldwell, em 1960, com o seu livro [muitíssimo imitado nas universidades até hoje]: O Otelo Brasileiro de Machado de Assis, e outro chamado Machado de Assis: The Brazilian Master and His Novels.

Ele ainda fez um desserviço à popularização do Machado na América.
Quem traduziu o Quincas Borba e o Memórias Póstumas para o inglês foi um senhor chamado Gregory Rabassa, que fez uma tradução hoje considerada cheia de erros, cortes e imperfeições.
Essa tradução foi publicada pela Penguin nos anos 60 e depois sumiu do mercado.
A Penguin mesmo falou recentemente que o primeiro autor brasileiro que ela publicou foi a Clarice Lispector, ignorando as malfadadas traduções dos livros citados e a de Dom Casmurro [feita por um tal de Robert Scott-Buccleuch, que, entre outras atrocidades, cortou 9 capítulos da obra!!!].
Pois bem, o Bloom elogiou as traduções deficientes e disse que, se o Quincas Borba não fez sucesso, é por que o romance foi narrado em 3a. pessoa, "que não é o forte dele".
Ah, faça-me o favor!

Quanto ao Bahktin, sendo ele ou outro que escreveu a teoria da polifonia em Dostoiévski, isso não muda o fato de que ela é genial e é a teoria mais influente sobre um autor feita no século passado.

Estou lendo esse aqui e gostando muito:



É bem leve, mas não é simplista.
Ele analisa a ficção de Homero a Pynchon Laughing em tópicos que mais se assemelham a uma conversa, pois são curtos e livres da linguagem academicista.
E também cita autores como Bolaño e Borges.
Essa descomplicação é o melhor do volume por que ele fala dos autores como se não fosse professor de Crítica Literária em Harvard [coisa que ele é], usando todo o comnhecimento que esse cargo exige.

Jabá, seu lindo, essa é um obra perfeita pra você adentrar nos meandros da crítica literária bem suavemente, com KY, sem academicismo.
Lembrei de você quando comecei a ler, acho que vais gostar.
Bjo, m ligah!


Última edição por Lorenzo Becco em Dom Nov 18, 2012 12:04 pm, editado 1 vez(es)

_________________

Becco
Dostoiévski
Dostoiévski

Mensagens : 2504
Data de inscrição : 11/07/2011
Idade : 37
Localização : Fortaleza - CE

Ver perfil do usuário http://literaturarussa.forumeiros.com/

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Crítica e teoria literária

Mensagem por Mat em Dom Nov 18, 2012 11:41 am

Becco, eu nunca li o Angústia da influência, então não posso concordar nem discordar de você.
Você não está errado ao mencionar o "endeusamento de Shakespeare e a língua inglesa", inclusive, acho que crítica que ele faz sobre Rimbaud é podre. Segundo Bloom, Rimbaud não seria um poeta tão notável se tivesse escrito sua obra na "língua de Blake". Ok. Você não está errado. Ele coloca Shakespeare no centro da discusão e analisa tudo a partir dessa perspectiva.
Mas, sinceramente, no que diz respeito ao impacto e a qualidade da crítica impressionista dele, eu não tenho dúvidas, Bloom é um dos melhores. Ele tem sensibilidade literária e um senso agudo e perspicaz para encontrar leituras e análises muito boas dentro do texto literário. A leitura de sua crítica é quase catártica. Leia livros como Abaixo as verdades sagradas [especialmente o ensaio sobre Milton] e Onde encontrar a sabedoria. Esse tipo de crítico praticamente não existe mais, o que é uma pena.
Certo, de fato, a crítica dele é old fashion, mas ainda vale muito para quem procura esse estilo mais opinativo e quem quer, de alguma maneira, colher opinião sobre os chamados 'autores canônicos'.
E, sinceramente velho, esse James Wood eu não gostei. Achei o livro simplista e sem uma coerência interna no desenvolvimento das análises. Ele é equilibrado ao falar dos pós-modernos, mas é um tanto tradicional. Uma hora chama David Foster Wallace de "o rei do tédio" e em outro momento ficando babando o ovo de Bolaño hahaha.

Mat
Guerra e Paz
Guerra e Paz

Mensagens : 2968
Data de inscrição : 12/07/2011
Idade : 26
Localização : Bahia

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Crítica e teoria literária

Mensagem por Becco em Dom Nov 18, 2012 12:03 pm

Toda leitura crítica é proveitosa, nem que seja pra descer o pau depois. Wink
Vou dar uma olhada nesses do Bloom que você indicou, afinal ele também tem qualidades.

Já esse do Woods eu comecei ontem, li pouco, mas gostei justamente por que ele é mais simples.
Não tô dizendo que ele é maravilhoso, mas, se ele baba o ovo do Bolaño, então concordamos.

_________________

Becco
Dostoiévski
Dostoiévski

Mensagens : 2504
Data de inscrição : 11/07/2011
Idade : 37
Localização : Fortaleza - CE

Ver perfil do usuário http://literaturarussa.forumeiros.com/

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Crítica e teoria literária

Mensagem por César em Dom Nov 18, 2012 12:24 pm

Mat escreveu:Uma hora chama David Foster Wallace de "o rei do tédio" e em outro momento ficando babando o ovo de Bolaño hahaha.
Mas o próprio DFW assumiu que seus livros são escritos para retratar o tédio do homem moderno. Infinite Jest poderia se chamar Tédio com T maiúsculo.

_________________
http://arecordfullofsournotes.tumblr.com

César
Púchkin
Púchkin

Mensagens : 1792
Data de inscrição : 11/07/2011
Idade : 28
Localização : São Paulo/SP

Ver perfil do usuário http://twitter.com/likeapisces

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Crítica e teoria literária

Mensagem por Mat em Dom Nov 18, 2012 1:26 pm

César escreveu:
Mat escreveu:Uma hora chama David Foster Wallace de "o rei do tédio" e em outro momento ficando babando o ovo de Bolaño hahaha.
Mas o próprio DFW assumiu que seus livros são escritos para retratar o tédio do homem moderno. Infinite Jest poderia se chamar Tédio com T maiúsculo.

Não é desse tédio ou falta de rítmo da narrativa que o Woods fala. A crítica dele é que, tanto o DFW quanto o Thomas Pynchon, "degradam a linguagem com seus pastiches mal feitos". Ele é completamente tradicional e acha que o Deus do romance é Flaubert.

Lorenzo Becco escreveu: [...]o Quincas Borba não fez sucesso, é por que o romance foi narrado em 3a. pessoa, "que não é o forte dele".
Ah, faça-me o favor!

Olha, eu adoro o Quincas Borba, mas não acho que essa crítica do Bloom seja completamente desprovida de sentido. Você consegue imaginar como Poe soaria em 3ª pessoa?

Mat
Guerra e Paz
Guerra e Paz

Mensagens : 2968
Data de inscrição : 12/07/2011
Idade : 26
Localização : Bahia

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Crítica e teoria literária

Mensagem por Becco em Dom Nov 18, 2012 1:51 pm

Flaubert > Pynchon Laughing em qualquer dia da semana.

O Poe tem contos ótimos em 3a. pessoa, assim como o Machado IMHO.
Quincas Borba não é tão bom quando Dom Casmurro nem Brás Cubas, mas não é por causa da voz narrativa.

_________________

Becco
Dostoiévski
Dostoiévski

Mensagens : 2504
Data de inscrição : 11/07/2011
Idade : 37
Localização : Fortaleza - CE

Ver perfil do usuário http://literaturarussa.forumeiros.com/

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Crítica e teoria literária

Mensagem por Mat em Dom Nov 18, 2012 2:08 pm

Acho que Machado e Poe são mais naturais em 1ª pessoa. Não digo que todo o mérito literário venha disso, mas contribui.

Mat
Guerra e Paz
Guerra e Paz

Mensagens : 2968
Data de inscrição : 12/07/2011
Idade : 26
Localização : Bahia

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Crítica e teoria literária

Mensagem por lavoura em Dom Nov 18, 2012 7:23 pm

O conto da pessoa Deprimida do DFW resume bem esse "tédio". O autor consegue passar tudo oque a pessoa deprimida causa nas amigas para o leitor. Chega uma hora que você cansa e quer que a pessoa deprimida se mate logo.

Postem mais dicas. Quero me enveredar por esses caminhos de crítica ano que vem.

lavoura
Guerra e Paz
Guerra e Paz

Mensagens : 2348
Data de inscrição : 26/06/2012
Idade : 28

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Crítica e teoria literária

Mensagem por Mat em Dom Nov 18, 2012 7:25 pm

lavoura escreveu:O conto da pessoa Deprimida do DFW resume bem esse "tédio". O autor consegue passar tudo oque a pessoa deprimida causa nas amigas para o leitor. Chega uma hora que você cansa e quer que a pessoa deprimida se mate logo.

Postem mais dicas. Quero me enveredar por esses caminhos de crítica ano que vem.

Não é esse tédio sentimento que o Woods fala, é o tédio em como ele manipula a linguagem, segundo o próprio Woods, sem elegância alguma.
Eu não acho que seja bem assim. O Foster Wallace exagera em algumas coisas, mas tem seus méritos e apresenta algumas novidades no plano narrativo.

Mat
Guerra e Paz
Guerra e Paz

Mensagens : 2968
Data de inscrição : 12/07/2011
Idade : 26
Localização : Bahia

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Crítica e teoria literária

Mensagem por lavoura em Dom Nov 18, 2012 7:31 pm

Mat escreveu:
lavoura escreveu:O conto da pessoa Deprimida do DFW resume bem esse "tédio". O autor consegue passar tudo oque a pessoa deprimida causa nas amigas para o leitor. Chega uma hora que você cansa e quer que a pessoa deprimida se mate logo.

Postem mais dicas. Quero me enveredar por esses caminhos de crítica ano que vem.

Não é esse tédio sentimento que o Woods fala, é o tédio em como ele manipula a linguagem, segundo o próprio Woods, sem elegância alguma.
Eu não acho que seja bem assim. O Foster Wallace exagera em algumas coisas, mas tem seus méritos e apresenta algumas novidades no plano narrativo.

Não vi isso quando li o "Breve entrevistas". Achei legais as inovações lexicais dele. Alguns contos não casam bem, tipo conto Tri-stan: eu vendi sissee Nar para Ecko. Mas os outros são bem legais, cansativos depois de um tempo, mas valem a pena. Estou com o volume de ensaios dele para começar a ler.
Veremos como ele se sai. Dos 6 só li o "Isso é agua".

lavoura
Guerra e Paz
Guerra e Paz

Mensagens : 2348
Data de inscrição : 26/06/2012
Idade : 28

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Crítica e teoria literária

Mensagem por Mat em Dom Nov 18, 2012 7:32 pm

lavoura escreveu:
Mat escreveu:
lavoura escreveu:O conto da pessoa Deprimida do DFW resume bem esse "tédio". O autor consegue passar tudo oque a pessoa deprimida causa nas amigas para o leitor. Chega uma hora que você cansa e quer que a pessoa deprimida se mate logo.

Postem mais dicas. Quero me enveredar por esses caminhos de crítica ano que vem.

Não é esse tédio sentimento que o Woods fala, é o tédio em como ele manipula a linguagem, segundo o próprio Woods, sem elegância alguma.
Eu não acho que seja bem assim. O Foster Wallace exagera em algumas coisas, mas tem seus méritos e apresenta algumas novidades no plano narrativo.

Não vi isso quando li o "Breve entrevistas". Achei legais as inovações lexicais dele. Alguns contos não casam bem, tipo conto Tri-stan: eu vendi sissee Nar para Ecko. Mas os outros são bem legais, cansativos depois de um tempo, mas valem a pena. Estou com o volume de ensaios dele para começar a ler.
Veremos como ele se sai. Dos 6 só li o "Isso é agua".

Ele é um tanto exagerado nos virtuosismos, no Breves entrevistas tem umas notas de rodapé com transcrição fonética hahahaha

Mat
Guerra e Paz
Guerra e Paz

Mensagens : 2968
Data de inscrição : 12/07/2011
Idade : 26
Localização : Bahia

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Crítica e teoria literária

Mensagem por Jabá em Dom Nov 18, 2012 7:39 pm

Lorenzo Becco escreveu:
Mat escreveu:Qual o problema com o Bloom, Becco?

Bem, pra começar, a melhor coisa dele é A Angústia da Influência, e mesmo assim ele complica um assunto que por si só já é complexo com aquela categorização tirada da cultura grega em Clinamen, Tessera, Kenosis, Askesis, Apófrades e Demonização.
Parecia que ele queria escrever um romance, e não um livro de crítica ou só queria se mostrar [olha como eu li os gregos].

Segundo, ele tem uma visão reducionista da literatura em língua inglesa e, principalmente, da de outros países por causa do seu verdadeiro ENDEUSAMENTO do Shakespeare!
Não, cara, fala sério, TUDO NA PORRA DO MUNDO TEM A VER COM O SHAKESPEARE!
TODO O UNIVERSO É DETERMINANTEMENTE INFLUENCIADO POR SHAKESPEARE!
SE O ESCRITOR NUNCA LEU SHAKESPEARE, MESMO ASSIM É INFLUENCIADO POR QUE ELE LEU OUTROS AUTORES QUE LERAM SHAKESPEARE!
NENHUM AUTOR CHEGA À POEIRA DO SAPATO DE SHAKESPEARE!
TODOS OS AUTORES SÃO PRÉ-MACACAIS SE COMPARADOS A SHAKESPEARE!
SE FOREM LATINOS, ENTÃO, SÃO PRÉ-PROTOZOÁRIOS!
A LÍNGUA INGLESA É A LÍNGUA DO ESPÍRITO SANTO POR QUE FOI A LÍNGUA QUE SHAKESPEARE AJUDOU A FORMAR!

Aí você diz: "Mas ele colocou o Machado no Gênio dele".
Ele colocou o Machado por que, dos autores da América do Sul, ele é sem dúvida o mais influenciado por Shakespeare, o que mais cita Shakespeare em sua obra [vide Dom Casmurro] e o que mais leu e mais escreveu sobre Shakespeare.
E isso nem foi ele que descobriu, foi uma americana chamada Helen Caldwell, em 1960, com o seu livro [muitíssimo imitado nas universidades até hoje]: O Otelo Brasileiro de Machado de Assis, e outro chamado Machado de Assis: The Brazilian Master and His Novels.

Ele ainda fez um desserviço à popularização do Machado na América.
Quem traduziu o Quincas Borba e o Memórias Póstumas para o inglês foi um senhor chamado Gregory Rabassa, que fez uma tradução hoje considerada cheia de erros, cortes e imperfeições.
Essa tradução foi publicada pela Penguin nos anos 60 e depois sumiu do mercado.
A Penguin mesmo falou recentemente que o primeiro autor brasileiro que ela publicou foi a Clarice Lispector, ignorando as malfadadas traduções dos livros citados e a de Dom Casmurro [feita por um tal de Robert Scott-Buccleuch, que, entre outras atrocidades, cortou 9 capítulos da obra!!!].
Pois bem, o Bloom elogiou as traduções deficientes e disse que, se o Quincas Borba não fez sucesso, é por que o romance foi narrado em 3a. pessoa, "que não é o forte dele".
Ah, faça-me o favor!

Quanto ao Bahktin, sendo ele ou outro que escreveu a teoria da polifonia em Dostoiévski, isso não muda o fato de que ela é genial e é a teoria mais influente sobre um autor feita no século passado.

Estou lendo esse aqui e gostando muito:



É bem leve, mas não é simplista.
Ele analisa a ficção de Homero a Pynchon Laughing em tópicos que mais se assemelham a uma conversa, pois são curtos e livres da linguagem academicista.
E também cita autores como Bolaño e Borges.
Essa descomplicação é o melhor do volume por que ele fala dos autores como se não fosse professor de Crítica Literária em Harvard [coisa que ele é], usando todo o comnhecimento que esse cargo exige.

Jabá, seu lindo, essa é um obra perfeita pra você adentrar nos meandros da crítica literária bem suavemente, com KY, sem academicismo.
Lembrei de você quando comecei a ler, acho que vais gostar.
Bjo, m ligah!

Becco, querida, como você imaginou que eu fosse capaz de ler um post desse tamanho? Uns me nivelam por baixo, outros me tratam como gente. Obrigado pela dica! amei! I love you I love you I love you

_________________
"Os livros que o mundo chama de imorais são os livros que mostram ao mundo a sua própria vergonha" (Oscar Wilde)

Jabá
Guerra e Paz
Guerra e Paz

Mensagens : 3734
Data de inscrição : 06/09/2011
Idade : 36
Localização : Teresina/PI

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Crítica e teoria literária

Mensagem por Mat em Dom Nov 18, 2012 7:40 pm

Jabá: sempre deixando tudo mais afetado Cool

Mat
Guerra e Paz
Guerra e Paz

Mensagens : 2968
Data de inscrição : 12/07/2011
Idade : 26
Localização : Bahia

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Crítica e teoria literária

Mensagem por lavoura em Dom Nov 18, 2012 7:44 pm

Mat escreveu:
lavoura escreveu:
Mat escreveu:
lavoura escreveu:O conto da pessoa Deprimida do DFW resume bem esse "tédio". O autor consegue passar tudo oque a pessoa deprimida causa nas amigas para o leitor. Chega uma hora que você cansa e quer que a pessoa deprimida se mate logo.

Postem mais dicas. Quero me enveredar por esses caminhos de crítica ano que vem.

Não é esse tédio sentimento que o Woods fala, é o tédio em como ele manipula a linguagem, segundo o próprio Woods, sem elegância alguma.
Eu não acho que seja bem assim. O Foster Wallace exagera em algumas coisas, mas tem seus méritos e apresenta algumas novidades no plano narrativo.

Não vi isso quando li o "Breve entrevistas". Achei legais as inovações lexicais dele. Alguns contos não casam bem, tipo conto Tri-stan: eu vendi sissee Nar para Ecko. Mas os outros são bem legais, cansativos depois de um tempo, mas valem a pena. Estou com o volume de ensaios dele para começar a ler.
Veremos como ele se sai. Dos 6 só li o "Isso é agua".

Ele é um tanto exagerado nos virtuosismos, no Breves entrevistas tem umas notas de rodapé com transcrição fonética hahahaha

Aquele Datum Centurio é bem isso mesmo. E sobre as notas de rodapé, dizem que no Infinite Jest é que o bicho pega. Lá elas são mais que enormes

lavoura
Guerra e Paz
Guerra e Paz

Mensagens : 2348
Data de inscrição : 26/06/2012
Idade : 28

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Crítica e teoria literária

Mensagem por Mat em Dom Nov 18, 2012 8:47 pm

http://www1.folha.uol.com.br/ilustrada/1186685-filosofo-homi-bhabha-ve-forca-de-regionalismos-na-arte-global.shtml

Mat
Guerra e Paz
Guerra e Paz

Mensagens : 2968
Data de inscrição : 12/07/2011
Idade : 26
Localização : Bahia

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Crítica e teoria literária

Mensagem por Mat em Dom Nov 25, 2012 9:17 am



Comprei esse aqui ontem.
Já comecei a leitura.
A eloquência do Said é inspiradora.
O livro reúne cinco ensaios do intelectual palestino, entre eles: Introdução a Mimesis, de Erich Auerbach. Será ótimo ler esse texto, estou de olho nesse livro do Auerbach há tempos.

Mat
Guerra e Paz
Guerra e Paz

Mensagens : 2968
Data de inscrição : 12/07/2011
Idade : 26
Localização : Bahia

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Crítica e teoria literária

Mensagem por tiago em Seg Nov 26, 2012 9:09 am

Lendo O Canône Ocidental, do Bloom, fiquei com vontade de ler Chaucer. Mas o inglês arcaico é demais pra minha ingorância

tiago
Crime e Castigo
Crime e Castigo

Mensagens : 849
Data de inscrição : 17/07/2011

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Crítica e teoria literária

Mensagem por Mat em Seg Nov 26, 2012 11:17 am

tiago escreveu: Lendo O Canône Ocidental, do Bloom, fiquei com vontade de ler Chaucer. Mas o inglês arcaico é demais pra minha ingorância

34 ta pra lançar o Chaucer.

Trecho do livro do said em que ele ataca Bloom com seu conhecido fervor equilibrado:


Edward Said escreveu:[...] essa universalidade de visão não é absolutamente o que temos obtido de Harold Bloom, que se tornou o porta-voz popular do tipo mais extremo de esteticismo repudiador que se autodenomina humanismo canônico. O seu talento extraordinário não o tem impedido de fazer os ataques mais brutos e mais cegos ao que, numa leitura errônea chocante do esteticismo de Wilde, ele supõe estar representando[...] Nas suas incessantes invocações aleatórias do que ele depreciativamente chama de escola do ressentimento, Bloom inclui tudo o que foi dito ou escrito por novos talentos que não são europeus, não são do sexo masculino, não receberam educação inglesa e por acaso não concordam com suas proclamações proféticas cansativas. Certamente pode-se aceitar, como eu aceito, a existência de realizações maiores e menores nas artes, e até realizações que são inteiramente desinteressantes (afinal, ninguém pode gostar de tudo): mas eu jamais admitiria que algo fosse humanisticamente, intrisicamente desinteressante apenas por não ser um dos nossos, ou por pertencer a uma tradição diferente, ou por provir de uma diferente perspectiva e experiência e constituir o resultado de diferentes processos de trabalho, como na frase estarrecedoramente condescendente de Saul Bellow: "mostrem-me o Proust zulu". [...]

Mat
Guerra e Paz
Guerra e Paz

Mensagens : 2968
Data de inscrição : 12/07/2011
Idade : 26
Localização : Bahia

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Crítica e teoria literária

Mensagem por Becco em Seg Nov 26, 2012 11:34 am

Concordo com tudo o que ele disse aí.

_________________

Becco
Dostoiévski
Dostoiévski

Mensagens : 2504
Data de inscrição : 11/07/2011
Idade : 37
Localização : Fortaleza - CE

Ver perfil do usuário http://literaturarussa.forumeiros.com/

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Crítica e teoria literária

Mensagem por Mat em Ter Dez 04, 2012 7:20 pm

Alguém aqui manja alguma coisa do Wittgenstein?

Mat
Guerra e Paz
Guerra e Paz

Mensagens : 2968
Data de inscrição : 12/07/2011
Idade : 26
Localização : Bahia

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Crítica e teoria literária

Mensagem por Conteúdo patrocinado Hoje à(s) 11:34 pm


Conteúdo patrocinado


Voltar ao Topo Ir em baixo

Página 1 de 7 1, 2, 3, 4, 5, 6, 7  Seguinte

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo

- Tópicos similares

 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum