François Rabelais

Página 3 de 4 Anterior  1, 2, 3, 4  Seguinte

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo

Re: François Rabelais

Mensagem por Mat em Seg Jul 08, 2013 9:24 pm

Sim, sim, gostei.

Mat
Guerra e Paz
Guerra e Paz

Mensagens : 2968
Data de inscrição : 12/07/2011
Idade : 26
Localização : Bahia

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: François Rabelais

Mensagem por Mat em Dom Out 20, 2013 8:55 am

Rabelais escreveu:Portanto, para terminar este prólogo, assim como eu entregarei a cem mil cestos de belos diabos meu corpo e alma, tripas e intestinos, se eu mentir uma única vez em toda a história, da mesma forma, o fogo de Santo Antônio vos queime, o mal-de-terra vos vire, o raio, a úlcera das pernas vos faça mancos, a caganeira vos acometa, a erisipela da foda bem esfregada, tão miúda como pêlo de vaca, bem reforçada e vivaz como mercúrio, vos entre pelos fundilhos; e como Sodoma e Gomorra, que tombeis em enxofre, em fogo e em abismo, se não crerdes firmemente tudo que vos contarei nesta presente crônica!
Laughing Laughing Laughing

Mat
Guerra e Paz
Guerra e Paz

Mensagens : 2968
Data de inscrição : 12/07/2011
Idade : 26
Localização : Bahia

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: François Rabelais

Mensagem por Jabá em Dom Out 20, 2013 11:51 am

Cara, que figura... Laughing 

_________________
"Os livros que o mundo chama de imorais são os livros que mostram ao mundo a sua própria vergonha" (Oscar Wilde)

Jabá
Guerra e Paz
Guerra e Paz

Mensagens : 3734
Data de inscrição : 06/09/2011
Idade : 36
Localização : Teresina/PI

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: François Rabelais

Mensagem por Becco em Seg Out 21, 2013 9:08 am

Caganeira. Laughing

_________________

Becco
Dostoiévski
Dostoiévski

Mensagens : 2504
Data de inscrição : 11/07/2011
Idade : 37
Localização : Fortaleza - CE

Ver perfil do usuário http://literaturarussa.forumeiros.com/

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: François Rabelais

Mensagem por Bardamute em Ter Out 29, 2013 3:27 pm

Olá, gentes...

Meu primeiro post aqui no Fórum de Literatura Russa.

Eu acho que, pra contribuir com este tópico, bem... vou postar aqui uma tradução minha, de uma entrevista com o Louis Ferdinand Céline, que segue a linha de Rabelais... Aí vai:

- O escritor que Céline mais admirava certamente era Villon (1432, desaparecido em 1463), e ele vê Rabelais na mesma tradição - hostil ao Renascimento que considerava destrutivo. Há certamente um ponto onde se encontram Villon e Rabelais, mas esta visão é um pouco perversa na medida em que desconsidera o entusiasmo de Rabelais para a cultura da Grécia e Roma, cultura desprezada por Céline. Neste texto a seguir ele ressalta que o uso que Rabelais fez da língua francesa de fato não sobreviveu. O que triunfou linguisticamente - que, na sua visão, trouxe resultados terríveis - foi o estilo acadêmico de Amyot, o tradutor de Plutarco que foi admirado por Montaigne e outros de sua geração:

"Rabelais enfiou goela abaixo a língua francesa falada na língua francesa escrita: um erro. Enquanto que Amyot, as pessoas querem e querem Amyot, o gênio do estilo acadêmico, duhamélico¹. É ele, que escreve merda: a linguagem petrificada.  As colunas do Figaro², que se orgulha de ter editores que escrevem bem, está abarrotada desses tipos. Le Figaro, é uma cloaca verbal bem afiada, frases bem conduzidas, e com, no final de cada artigo, um pequeno truque pretensioso. Não é perigoso, nem muito forte, para não assustar o público. Da merda real, eu continuo. Rabelais realmente queria uma língua extraordinária e rica. Mas os outros, eles tem a língua castrada, fazem-se duhamélicos, giraldos e maurícios. Então, hoje, escrever bem é escrever como Amyot, mas, veja bem, nunca é uma língua traduzida. Germaine Beaumont disse uma vez, a leitura de um livro: " Ah! como é bom de ler! ainda mais a tradução!" É quem dá o mote. É essa a raiva moderna do Francês: ler as traduções, falar como as traduções. Alguns vieram me perguntar se eu havia tomado uma ou outra passagem de Joyce. Sim, você me pediu! Esta é a época... Porque o inglês, ah, é a moda... Eu falo inglês perfeitamente, como o francês. Vá buscar qualquer coisa de Joyce. Não, eu não falo aquela língua, aquela puta língua me irrita... Como Rabelais, eu encontrei tudo na língua francesa. Lanson (que não era um imbecil), disse: "a língua francesa não é muito artística". Não há poesia na França, tudo é muito cartesiano. Ele evidentemente tem razão. Este é o caso de Amyot, cá... Este é um pré-cartesiano, e assim tudo foi arruinado. Não é o caso de Rabelais: um artista. Rabelais, sim, ele falhou, e Amyot ganhou.  A posteridade de Amyot, é tudo Gallimard, todos esses pequenos romances emasculados. Milhares por ano. Mas romances com esses, merda, escrevo em uma hora. No entanto, não serei publicado. Onde está a posteridade de Rabelais? A literatura real? Desapareceu. A razão é clara. Deve-se compreender de uma vez por todas (puritanismo suficiente!) que o Francês é uma língua estritamente vulgar, desde o Tratado de Verdun. Só que não queremos aceitá-la como vulgar e continuamos a desprezar Rabelais. "Ah, é Rabeleiro" às vezes dizem. Quer dizer, né, olha, isso não é difícil, que coisa ... essa falta de correção ... Delicada, delicada ... E o nome de um dos nossos maiores escritores ajudou a moldar um adjetivo difamatório. Monstruoso! Mas era um cara muito forte Rabelais, escritor, médico, advogado, bispo. Ele teve dificuldades , pobre, mesmo em sua vida, ele passou todo o tempo tentando não ser jogado à fogueira. Ele não acreditava muito em Deus, tampouco se atrevia a dizer isso. Além disso, ele não terminou mal: não houve tortura. Isso foi depois, a tortura, quando a academia esquartejou o francês que ele falava (escrevia), para fazer uma literatura de bacharel, patente militar e diploma. Mesmo Balzac não foi em nada ressuscitado. Este á o academicismo baixo, banal!  É a vitória da razão. Razão! Devem estar loucos! Nós não podemos fazer nada disso, todos castrados. Eles me fazem rir. Veja o que lhes contraria: nós nunca fomos capazes de fazer "razoavelmente" uma criança. Nada a fazer, é preciso um momento de delírio durante o coito... O bom em Rabelais é que ele colocou sua pele sobre a mesa, ele arriscou. A morte o espreita, ela o inspira! É mesmo a única coisa que inspira. Eu sei quando ela está lá, logo atrás. Quando a morte está brava... Eu tive em minha vida o mesmo defeito de Rabelais. Eu gasto meu tempo a me meter em situações desesperadoras. Eu sou exaustivamente meticuloso com o ódio. Como ele, eu não tenho nada a esperar dos outros. Eu espero só vômito dos outros, da goela em Meudon. O prefeito, todos, querem minha pele. Ainda encontro um monte de cartas sujas na minha caixa de correio. Nas paredes eles também escrevem... Contra Céline, o pornógrafo... "
(Entrevista de Guy Bechtel, 27 de novembro de 1958)

Essas observações contém a essência das reflexões de Céline sobre o uso da linguagem. Emoção vale mais que razão, e naturalidade de expressão mais do que ordem e clareza. O Homem é condenado a morrer e se ele deseja alcançar a grandeza sendo artista, deve trabalhar como um lacaio para o povo. Não há outra maneira.

1- Duhamélico: ADJ M: Relativo ao escritor George Duhamel (1884-1966).

2 Le Figaro, fundado em 1826, ainda sob Charles X, é um influente e importante jornal francês, o mais antigo ainda hoje publicado. Recebeu o nome do personagem de Beaumarchais. Sua sede se encontra no 14, boulevard Haussmann, no 9e arrondissement (bairro) de Paris. É um jornal nacional que faz parte do grupo Socpresse, o primeiro da França no setor de imprensa, grupo inteiramente controlado pelo seu presidente, Serge Dassault, grande industrial francês e senador-prefeito de Corbeil-Essones.

fonte: http://celinedecamisacastanha.blogspot.com.br/2013/01/rabelais-pos-goela-abaixo.html

Bardamute
Noites Brancas
Noites Brancas

Mensagens : 9
Data de inscrição : 29/10/2013

Ver perfil do usuário http://celinedecamisacastanha.blogspot.com.br/, bardamute.roon.i

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: François Rabelais

Mensagem por Mat em Dom Nov 17, 2013 6:21 pm

Rabelais escreveu:“Pouco tempo depois, o bom Pantagruel adoeceu e sentia tanta dor no estômago que não podia beber nem comer, e como uma desgraça nunca vem só, veio-lhe uma urina quente que o atormentava mais do que podeis imaginar; mas os médicos o trataram muito bem, e com muitas drogas lenitivas e diuréticas o fizeram mijar seu mal. A sua urina estava tão quente que ainda não se esfriou desde aquele tempo. Existe na França em diversos lugares, conforme a direção que tomou; e são aqueles chamados banhos quentes, como:

Em Coderets,
Em Limons,
Em Dast,
Em Balleruc,
Em San Petro di Padua,
Em Porrette, e em mil outros lugares [...]

E me espanto muito com os tolos filósofos e médicos, que perdem tempo discutindo de onde vem o calor das referidas águas, ou se é por causa do bório, do enxofre, do alume ou do salitre que há na fonte: pois nada mais fazem do que conjecturar em vão, e melhor fariam se fossem esfregar o cu no cardo do que discutir sobre uma coisa cuja a origem desconhecem. Pois a solução é fácil, e não se pode mais discutir que as referidas águas são quentes porque saíram de uma mijada quente do bom Pantagruel.” (Capítulo XXXIII, De como Pantagruel adoeceu, e de modo como se curou, p. 380)
LaughingLaughingLaughingLaughing

Reler Rabelais >>>> Vida.

Mat
Guerra e Paz
Guerra e Paz

Mensagens : 2968
Data de inscrição : 12/07/2011
Idade : 26
Localização : Bahia

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: François Rabelais

Mensagem por Oric em Seg Nov 18, 2013 6:21 am

Laughing Laughing Laughing

Sensacional!

Oric
Crime e Castigo
Crime e Castigo

Mensagens : 947
Data de inscrição : 18/12/2012

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: François Rabelais

Mensagem por Mat em Qui Jan 23, 2014 9:08 am

http://www.estantevirtual.com.br/livrosecia2008/Rafael-de-Figueiredo-Francois-Rabelais-Nas-Brumas-da-Mente-88527795

Laughing

Mat
Guerra e Paz
Guerra e Paz

Mensagens : 2968
Data de inscrição : 12/07/2011
Idade : 26
Localização : Bahia

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: François Rabelais

Mensagem por Bardamute em Qui Fev 20, 2014 3:30 pm

http://ebooks.adelaide.edu.au/r/rabelais/francois/r11g/index.html

http://pt.wikipedia.org/wiki/Thelema

Bardamute
Noites Brancas
Noites Brancas

Mensagens : 9
Data de inscrição : 29/10/2013

Ver perfil do usuário http://celinedecamisacastanha.blogspot.com.br/, bardamute.roon.i

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: François Rabelais

Mensagem por Mat em Qui Fev 20, 2014 3:53 pm

Bardamute, recomenda algum material crítico sobre Rabelais? Além de nomes como Bakhtin, Umberto Eco, Élide Oliver e Lucien Febvre, conhece mais alguma coisa? Conhece Rabelais's Carnival: Text, Context, Metatext (The New Historicism: Studies in Cultural Poetics), do Samuel Kinser?

Mat
Guerra e Paz
Guerra e Paz

Mensagens : 2968
Data de inscrição : 12/07/2011
Idade : 26
Localização : Bahia

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: François Rabelais

Mensagem por Bardamute em Qui Fev 20, 2014 4:21 pm

Mat escreveu:Bardamute, recomenda algum material crítico sobre Rabelais? Além de nomes como Bakhtin, Umberto Eco, Élide Oliver e Lucien Febvre, conhece mais alguma coisa? Conhece Rabelais's Carnival: Text, Context, Metatext (The New Historicism: Studies in Cultural Poetics), do Samuel Kinser?

Não posso dizer que conheço muito acerca... Além de Bakhtin ou de seu próprio texto (Gargantua y Pantagruel), ou alguma coisinha dita pelo céline, e ou aquele filósofo manuel de dieguez que escreveu 'rabelais por ele mesmo', nunca li este livro mas já li o manuel, um dia agarro esse livro nas mãos, não há tradução dele no brasil. http://www.estantevirtual.com.br/seboousados/Manuel-de-Dieguez-Rabelais-Par-Lui-meme-64587284

Michel B. Kline - Etudes Rabelaisiennes (na época que estudava letras ouvi falar deste livro mas também não pude ler (texto em francês)...

E blábláblá, se procurar e souber ler em francês, encontraremos muito material. Pouca coisa traduzida ou elaborada pelos nossos filósofos e linguistas.

"Rabelais's Carnival: Text, Context, Metatext (The New Historicism: Studies in Cultural Poetics)"; Samuel Kinser.
Esse você já leu? O que diz?

Bardamute
Noites Brancas
Noites Brancas

Mensagens : 9
Data de inscrição : 29/10/2013

Ver perfil do usuário http://celinedecamisacastanha.blogspot.com.br/, bardamute.roon.i

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: François Rabelais

Mensagem por Mat em Qui Fev 20, 2014 6:44 pm

Bardamute, eu acabei de comprar o livro do Kinser na EV por 30 reais. Tomara que seja bom (a proposta é ótima). Você leu Gargântua e Pantagruel em espanhol? O Rabelais por ele mesmo também ainda não li. Aliás, você conhece uma boa biografia dele? Imagino que não exista nenhuma traduzida pro português. Deveriam traduzir os estudos do Abel Lefranc (sei que ele já foi enrabado pelo Febvre, mas deve ter coisa boa ali). E, sim, imagino que deve ter muita coisa em francês.

Aqui no Brasil, por sorte, temos o Bakhtin e o Febvre, que são fundamentais nos estudos sobre o Rabelais.
Queria ler também Rabelais e o Riso do Renascimento, do Ronald de Carvalho.

Sonho de consumo:



Edit: O livro da Élide Oliver é fundamental também. Ela lê Rabelais e Joyce através da Sátira Menipeia e tira umas conclusões sensacionais. Dentro do livro você encontra uma série de citações de críticos literários e historiadores (Spitzer, Wilson, Quinet, Michelet, Kayser, Hugo, Frye, Jourda) sobre os dois autores estudados, além de muitos paralelos interessantes cruzando a obra dos dois. O mais legal é que a Oliver mostra como as críticas feitas aos procedimentos de Rabelais eram provincianas e demonstravam um total desconhecimento da Sátira Menipeia e suas características. Ela também aponta o mesmo erro nos críticos de Joyce (Edmund Wilson, por exemplo) e, se você reparar, o mesmo acontece com o Pynchon atualmente. Observe esse trecho do Pierre Jourda:

“[...] [Rabelais] Larga o freio e deixa a verve comandar seu imenso saber. Daí os inúmeros episódios mal-ajustados ao conjunto, daí os trechos abusivamente longos – e exibição de uma erudição fatigante e intemperativa. O intricado verbal de sua obra só se iguala ao pedante. A abundância de palavras, a abundância de exemplos, pesquisa sistemática de uma retórica ciceroniana [...] o que dizer, enfim, da grosseria de Rabelais [...]” (JOURDA, 1962)


Já leu os teóricos da Menipeia? Li muito pouco por enquanto, nem o Frye eu li, mas ta na lista.

Mat
Guerra e Paz
Guerra e Paz

Mensagens : 2968
Data de inscrição : 12/07/2011
Idade : 26
Localização : Bahia

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: François Rabelais

Mensagem por Mat em Sab Fev 22, 2014 11:53 am

Mais alguns livros sobre Rabelais:

Enter Rabelais, Laughing, da Barbara C. Bowen: http://migre.me/i0fip

Rabelais's Radical Farce: Late Medieval Comic Theater and Its Function in Rabelais, do E. Bruce Hayes: http://migre.me/i0fjL

The Cambridge Companion to Rabelais, editado por John O'Brien: http://migre.me/i0fxs

Rabelais and Panurge: A Psychological Approach to Literary Character, dos autores Mary E. Ragland e Ellie Ragland-Sullivan: http://migre.me/i0fmT

The Design of Rabelais's Tiers Livre de Pantagruel, do Edwin M. Duval: http://migre.me/i0fTB

Rabelais and Bakhtin: Popular Culture in Gargantua and Pantagruel, do Richard M. Berrong: http://migre.me/i0fpe

O último, segundo a Élide Oliver, é uma grande crítica ao método bakhtiniano de análise do Gargântua e Pantagruel.
Aos poucos vou comprando cada um desses livros. Pena que, mesmo na Amazon, alguns estão esgotados.

Mat
Guerra e Paz
Guerra e Paz

Mensagens : 2968
Data de inscrição : 12/07/2011
Idade : 26
Localização : Bahia

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: François Rabelais

Mensagem por Bardamute em Sab Fev 22, 2014 3:46 pm

Mat escreveu:Mais alguns livros sobre Rabelais:

Enter Rabelais, Laughing, da Barbara C. Bowen: http://migre.me/i0fip

Rabelais's Radical Farce: Late Medieval Comic Theater and Its Function in Rabelais, do E. Bruce Hayes: http://migre.me/i0fjL

The Cambridge Companion to Rabelais, editado por John O'Brien: http://migre.me/i0fxs

Rabelais and Panurge: A Psychological Approach to Literary Character, dos autores Mary E. Ragland e Ellie Ragland-Sullivan: http://migre.me/i0fmT

The Design of Rabelais's Tiers Livre de Pantagruel, do Edwin M. Duval: http://migre.me/i0fTB

Rabelais and Bakhtin: Popular Culture in Gargantua and Pantagruel, do Richard M. Berrong: http://migre.me/i0fpe

O último, segundo a Élide Oliver, é uma grande crítica ao método bakhtiniano de análise do Gargântua e Pantagruel.
Aos poucos vou comprando cada um desses livros. Pena que, mesmo na Amazon, alguns estão esgotados.

Uoh! Fiquei muito interessado no Rabelais and Panurge. Panurge, um dos personagens mais notáveis de Gargantua e Pantagruel...

http://en.wikipedia.org/wiki/Panurge

François Rabelais escreveu:"Do not marry then, answered Pantagruel. Yea but, quoth Panurge, considering the condition wherein I now am, out of debt and unmarried; mark what I say, free from all debt, in an ill hour, for, were I deeply on the score, my creditors would be but too careful of my paternity, but being quit, and not married, nobody will be so regardful of me, or carry towards me a love like that which is said to be in a conjugal affection. And if by some mishap I should fall sick, I would be looked to very waywardly. The wise man saith, Where there is no woman — I mean the mother of a family and wife in the union of a lawful wedlock — the crazy and diseased are in danger of being ill used and of having much brabbling and strife about them; as by clear experience hath been made apparent in the persons of popes, legates, cardinals, bishops, abbots, priors, priests, and monks; but there, assure yourself, you shall not find me. Marry then, in the name of God, answered Pantagruel. But if, quoth Panurge, being ill at ease, and possibly through that distemper made unable to discharge the matrimonial duty that is incumbent to an active husband, my wife, impatient of that drooping sickness and faint-fits of a pining languishment, should abandon and prostitute herself to the embraces of another man, and not only then not help and assist me in my extremity and need, but withal flout at and make sport of that my grievous distress and calamity; or peradventure, which is worse, embezzle my goods and steal from me, as I have seen it oftentimes befall unto the lot of many other men, it were enough to undo me utterly, to fill brimful the cup of my misfortune, and make me play the mad-pate reeks of Bedlam. Do not marry then, quoth Pantagruel. Yea but, said Panurge, I shall never by any other means come to have lawful sons and daughters, in whom I may harbour some hope of perpetuating my name and arms, and to whom also I may leave and bequeath my inheritances and purchased goods (of which latter sort you need not doubt but that in some one or other of these mornings I will make a fair and goodly show), that so I may cheer up and make merry when otherwise I should be plunged into a peevish sullen mood of pensive sullenness, as I do perceive daily by the gentle and loving carriage of your kind and gracious father towards you; as all honest folks use to do at their own homes and private dwelling-houses. For being free from debt, and yet not married, if casually I should fret and be angry, although the cause of my grief and displeasure were never so just, I am afraid, instead of consolation, that I should meet with nothing else but scoffs, frumps, gibes, and mocks at my disastrous fortune. Marry then, in the name of God, quoth Pantagruel.."



Hahahahahah...

... Mat, vejo que estás pesquisando muito acerca de Rabelais, o que está fazendo? Interesse pessoal, ou?
E, ah, você lê em Inglês? Isso é ótimo. Antes útil o inglês quanto o francês, hoje em dia...

Bardamute
Noites Brancas
Noites Brancas

Mensagens : 9
Data de inscrição : 29/10/2013

Ver perfil do usuário http://celinedecamisacastanha.blogspot.com.br/, bardamute.roon.i

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: François Rabelais

Mensagem por Mat em Sab Fev 22, 2014 8:34 pm

Cara, gosto muito do Rabelais. Se só pudesse salvar uma obra de minha biblioteca pessoal, salvaria, sem nem pensar duas vezes, meu exemplar do Gargântua e Pantagruel. Penso em seguir carreira acadêmica com trabalhos sobre Thomas Pynchon, escritor americano decisivamente influenciado pela prosa de Rabelais; por isso estou montando um pequeno acervo de obras teóricas sobre a Menipeia e o Realismo Grotesco. Você estudou francês na universidade? Eu não sei quase nada dessa língua. Preciso começar a aprender logo para ler Jourda e Lefranc. Ah, lembrei agora, também é importante ler Mimesis e A novela no início do Renascimento, do Erich Auerbach. No primeiro, há um capítulo sobre Rabelais chamado O mundo na boca de Pantagruel e no segundo, que é uma tese sobre Boccaccio, há algumas considerações importantes sobre Rabelais e sua influência na formação da novela.
E, sim, Panúrgio é foda:

   

heueheuehe

Mat
Guerra e Paz
Guerra e Paz

Mensagens : 2968
Data de inscrição : 12/07/2011
Idade : 26
Localização : Bahia

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: François Rabelais

Mensagem por Jabá em Dom Fev 23, 2014 12:03 am

Interessante ver como o Mateus se tornou um verdadeiro DILETANTE no tema Rabelais.

Ambos os dois, diga-se de passagem. Esse Bardamute deve ser algum acadêmico famoso que posta por aqui.

_________________
"Os livros que o mundo chama de imorais são os livros que mostram ao mundo a sua própria vergonha" (Oscar Wilde)

Jabá
Guerra e Paz
Guerra e Paz

Mensagens : 3734
Data de inscrição : 06/09/2011
Idade : 36
Localização : Teresina/PI

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: François Rabelais

Mensagem por Mat em Qui Mar 20, 2014 11:01 am

Definam alegria Smile



Depois de quase um mês de espera (greve dos correios), finalmente chegou!

Mat
Guerra e Paz
Guerra e Paz

Mensagens : 2968
Data de inscrição : 12/07/2011
Idade : 26
Localização : Bahia

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: François Rabelais

Mensagem por Karenina em Qui Mar 20, 2014 2:43 pm

Esse lençol é muito fofis

Karenina
Crime e Castigo
Crime e Castigo

Mensagens : 870
Data de inscrição : 19/09/2011
Idade : 28

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: François Rabelais

Mensagem por lavoura em Qua Mar 26, 2014 9:43 pm

Alegria para o Mat : Matheus sendo "Rabelado"

lavoura
Guerra e Paz
Guerra e Paz

Mensagens : 2348
Data de inscrição : 26/06/2012
Idade : 28

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: François Rabelais

Mensagem por Mat em Ter Abr 15, 2014 8:12 pm

Terminei o livro do Kinser, galeris. Gostei pra caramba, apesar de ter achado complicadinho. Um dos pontos positivos da abordagem do Kinser é que ele se concentra no conceito de "Metatext" (e outras coisas), definido assim:

Readers who try understand a text whose context is not their own - a text, let us say, written more than two generations ago, or in another country, or in a sharply different social mileu - will construct a Metatext, wittngly or unwittengly, if it is not offered to them. Even when metatexts are offered, readers will modify them because their angle of vision differs from anything anyone else writes about the text. (p. 175)

Kinser, como todo estudioso de Rabelais que nasceu depois de Bakhtin, deve as calças ao autor russo, mas não poupa alfinetadas. Ele não é o único, aliás, e a bibliografia que critica a abordagem de Bakhtin é extensa, mas enfim.

Continuando:

O conceito de "carnavalização" está presente no livro e o autor faz umas releituras interessantes sobre o tema, sempre considerando as fontes pouco estudadas da cultura popular oral:

These dynamic are the physic equivalent of the social inversions of carnival time: men become animals, women dress like men, human costume themselves as giants, Christians behave like pagans.


Outra coisa legal no livro é que o Kinser dá meio que uma ~ relativizada ~ na afirmação de alguns estudiosos (Julia Kristeva, por exemplo) que Rabelais era efetivamente um anticlerical. É claro que as práticas descritas e incentivadas pelo autor francês no Gargântua e Pantagruel realmente enfrentavam o discurso ortodoxo e oficial (a igreja e os conservadores da Sorbonne), mas

He believed in Christ and was continuously preoccupied with Christian teaching and practices, but he suspected Christ's church and especially its imperious, censorious elites. Even the sharpness and point of his attacks on churchmen, particulary those on ignorant Sorbonne theologians (...) (p. 3-4)

O livro tem muita coisa legal, vale a pena ler. Um destaque especial para as referências que o Kinser usou. Além das obviedades (Bakhtin e Febvre), coisas do Guy Demerson, John Parkin e outros. Foda que é difícil achar esses livros, muita coisa esgotada (até na gringa).

Ah, o capítulo mais daora é o Bakhtin's Discovery. Destaco:

But Bakhtin also analyzes Rabelais's work at a different level, less concerned with carnival images and their aggregate important in Rabelais at renaissance. This analytic level deals with the philosophic implications of images of banqueting, of praise and abuse in the marketplace, of birth, death, copulation, defecation, dismemberment, and so on. Bakhtin shows that the aggressiveness and cruelty of folk-cultural and popular cultural humor, its Grotesque reslism, its temporal principle of cyclic birth and rebirth, it spatial principle of reversal and inversion, its organic principle of imcompleteness and unfinished bodileness. (p.253)

É um livro que exige releitura por ser um pouco complicado e tal, muito interdisciplinar, mas, ainda assim, uma leitura agradável.

Mat
Guerra e Paz
Guerra e Paz

Mensagens : 2968
Data de inscrição : 12/07/2011
Idade : 26
Localização : Bahia

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: François Rabelais

Mensagem por Mat em Qua Maio 28, 2014 3:31 pm



Terminei esse, amigos. Bem interessante a abordagem da Bowen. Ela discute o riso em Rabelais, mas de uma maneira bem diferente daquela de Bakhtin, que concebe Rabelais apenas como um social subversive, palavras da autora. O último capítulo, The Comic Lawyer, foi o mais difícil pra mim, que não entendo quase nada de direito. A edição é muito boa, bastante agradável de ler. Hardcover, mas bastante maleável, aquele tipo de livro que tu coloca em cima da mesa e ele fica aberto sem precisar de um peso.

ps: Destaque para a bibliografia monstra que a autora usou. A parte triste é que muita coisa está esgotada.

Mat
Guerra e Paz
Guerra e Paz

Mensagens : 2968
Data de inscrição : 12/07/2011
Idade : 26
Localização : Bahia

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: François Rabelais

Mensagem por RafaelS em Qua Maio 28, 2014 8:05 pm

Esses livros eruditos, ainda mais feitos nos eua/europa só podem ser feitos da maneira que são (com bibliografia monstro) pois se apoiam fortemente nas bibliotecas universitárias e no sistema de trocas entre bibliotcas que há em muitos locais. Ou seja, estar esgotado ou não provavelmente não faz diferença, é nós que somos fudidos por falta de biblios boas.

RafaelS
Ana Karenina
Ana Karenina

Mensagens : 399
Data de inscrição : 11/02/2013
Localização : Rio de Janeiro

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: François Rabelais

Mensagem por tiago em Qui Maio 29, 2014 7:06 am

RafaelS escreveu:Esses livros eruditos, ainda mais feitos nos eua/europa só podem ser feitos da maneira que são (com bibliografia monstro) pois se apoiam fortemente nas bibliotecas universitárias e no sistema de trocas entre bibliotcas que há em muitos locais. Ou seja, estar esgotado ou não provavelmente não faz diferença, é nós que somos fudidos por falta de biblios boas.

Creio que hj em dia não precisa mais de biblioteca, tem tudo na internet.

tiago
Crime e Castigo
Crime e Castigo

Mensagens : 849
Data de inscrição : 17/07/2011

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: François Rabelais

Mensagem por Mat em Qui Jun 19, 2014 11:01 am


Mat
Guerra e Paz
Guerra e Paz

Mensagens : 2968
Data de inscrição : 12/07/2011
Idade : 26
Localização : Bahia

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: François Rabelais

Mensagem por Bardamute em Dom Jun 22, 2014 4:48 pm

Mat escreveu:

Não, Mat...

(Quer vender o livro do Kinser?)

Bardamute
Noites Brancas
Noites Brancas

Mensagens : 9
Data de inscrição : 29/10/2013

Ver perfil do usuário http://celinedecamisacastanha.blogspot.com.br/, bardamute.roon.i

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: François Rabelais

Mensagem por Conteúdo patrocinado Hoje à(s) 7:01 pm


Conteúdo patrocinado


Voltar ao Topo Ir em baixo

Página 3 de 4 Anterior  1, 2, 3, 4  Seguinte

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo

- Tópicos similares

 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum