Victor Vladimirovitch Velimir Khlebnikov, da Calmúquia [Велими́р Хле́бников]

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo

Victor Vladimirovitch Velimir Khlebnikov, da Calmúquia [Велими́р Хле́бников]

Mensagem por Bardamute em Dom Jun 22, 2014 4:41 pm



A vida e a atividade de Victor Vladimirovitch Khlebnikov (1885-1922) incluem duas datas chaves da história da Rússia moderna: 1905, que esboça a grande ruptura, e 1917, que a traça irremediavelmente.

Nesse meio-tempo, antecipando às vezes a efetivação do real, se inscreve uma série de textos dos quais alguns, no plano literário, se designam com o nome de futurismo. Que esse movimento esteja ligado ao formalismo, inútil de sublinhar, e foi aliás através dos formalistas russos que ouvimos falar de Vélimir Khlebnikov, "poeta dublê de teórico" (Tynianov), "o Lemossonov da literatura moderna" (Chklovski).

Ele nasceu perto de Astrakhan, em 28 de outubro de 1885, no seio de uma família de intelectuais, passou sua infância e uma parte da juventude na região do Volga, residindo em Simbirsk, estudando na universidade de Kazan (onde haviam lecionado Lobatchevsky e Baudouin de Courtenay, e de onde o jovem Oulianov, que ainda não era Lênin, havia sido expulso em 1887), em cidades em contato com civilizações orientais e, para alguns, tendo ainda na memória o levante de Razin que abalou a Rússia do século XVII.

Matemático e naturalista por formação, o jovem Khlebnikov abandona pouco a pouco essas disciplinas para se dedicar primeiro ao desenho, depois enfim à literatura. Abandono que não podemos de resto qualificar como definitivo, uma vez que esses campos diversos não cansarão de se cruzar ao longo de toda a sua vida. Entra para o mundo literário em 1908, numa Petersburgo dominada pelo simbolismo. Será aliás o teórico do movimento, Viatcheslav Ivanov, quem lhe dará o pseudônimo de ressonância velho-eslava, Vélimir. Suas estréias são marcadas por textos (verso e prosa) caracterizados por "neologismos" baseados em traços arcaicos (como A tentação do pescador) de um lado, e por ensaios de pontilhismo ou de cubismo de outro. Ele irá se desprender do simbolismo muito rapidamente (a partir de 1909, ao que parece) e se aproximar, pelo viés de Kamenski, que fez publicar a Tentação na revista Vesna (Primavera), do grupo formado por Matiouchine, Gouro, para editar, em abril de 1910, O viveiro de juízes, manifesto que traz os nomes a que Khlebnikov chama de "futurianos" (budetljanje). Quanto ao simbolismo, ele o liquidará teoricamente em 1912, em Mestre e aluno, um pouco antes do nascimento, por assim dizer, oficial, do futurismo; Uma bofetada no gosto público (dezembro de 1912) reúne, com efeito, as duas grandes figuras do novo movimento, V.V. Khlebnikov e V.V. Maiakóvski, tendo a ligação entre os gênios sido efetuada aqui por David Burliuk.

Até 1916, Khlebnikov não cansará de mudar de lugar: Moscou, Petersburgo, Kharkov, Astrakhan, etc. Desde 1910-1911 ele havia começado o estudo sistemático dos números, operação que lhe permitiria formular as "leis do tempo" e, de imediato, fundar uma sociedade dos Presidentes do globo terrestre (o "Estado do tempo", em oposAté 1916, Khlebnikov não cansará de mudar de lugar: Moscou, Petersburgo, Kharkov, Astrakhan, etc. Desde 1910-1911 ele havia começado o estudo sistemático dos números, operação que lhe permitiria formular as "leis do tempo" e, de imediato, fundar uma sociedade dos Presidentes do globo terrestre (o "Estado do tempo", em oposição aos "Estados do espaço").

A primavera de 1916 abre um período difícil, que se prolonga até a revolução de fevereiro: convocado ao serviço militar em Tsaritsyn, ele tenta que lhe reformem, e passa três semanas entre os loucos: "Eu sou qualquer coisa que quiserem: um derviche, um mago, um iogue, um marciano, mas um simples soldado de infantaria de reserva, não".

Quando explode a revolução de outubro, segue de muito perto todos os acontecimentos e acolhe favoravelmente o regime dos Sovietes, como todos os seus amigos futuristas.

A guerra civil o vê errar pela Rússia de novo, sem papéis, esfarrapado, preso e libertado em seguida, se "refugiando" num asilo psiquiátrico. Após uma estadia em Kharkov, muito fecunda no plano da obra, mas marcada por toda sorte de privações e humilhações (1920), ele chega a Baku, onde trabalha na Rosta. Em junho de 1921, acompanha um destacamento do Exército vermelho ao Irã; essa campanha lhe inspirará seu poema A Trombeta de Gol Mullah, hino calmo a essa Ásia que, segundo seus próprios termos, o "torturava".

De volta a Baku, em agosto de 1921, ele parte quase que de imediato para Piatigorsk, onde é empregado como vigilante noturno, após retornar a Moscou num vagão de epiléticos. Liga-se então ao pintor Mitourich, que o ajuda a publicar sua "trans-narrativa" Zanguézi, bem como a soma de seus cálculos numéricos As Tabuadas do destino. Na primavera de 1922, os dois homens partem para a região de Novgorod, na aldeia de Santalovo.

Ao chegar, após duras penas, Khlebnikov cai doente e morre de septicemia, depois de passar por sofrimentos atrozes, em 28 de junho de 1922.

>>> http://www.culturapara.art.br/opoema/velimirkhlebnikov/velimirkhlebnikov.htm;
>>> http://pt.wikipedia.org/wiki/Velimir_Khl%C3%A9bnikov
>>> http://www.culturapara.art.br/opoema/velimirkhlebnikov/velimirkhlebnikov.htm

>>> http://www.estantevirtual.com.br/marcelonoah/Velimir-Khlebnikov-Ka-42047809

Bela analíse estrutural de "Eis-me levado em dorso elefantino..." de V.V. Ivanov. Tradução de B, Schnaiderman:
>>> http://www.usp.br/revistausp/02/10-ivanov.pdf

Site meio-oficial: http://hlebnikov.com/

Bardamute
Noites Brancas
Noites Brancas

Mensagens : 9
Data de inscrição : 29/10/2013

Ver perfil do usuário http://celinedecamisacastanha.blogspot.com.br/, bardamute.roon.i

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Victor Vladimirovitch Velimir Khlebnikov, da Calmúquia [Велими́р Хле́бников]

Mensagem por Bardamute em Dom Jun 22, 2014 4:43 pm

O CAVALO DE PRJEVÁLSKI 1

Perseguido - Por alguém? Que sei? Não cuido.
Pela pergunta: uma vida, ... e beijos, quantos?
Pela romena, dileta do Danúbio,
E a polonesa, que os anos circuncantam.
- Fujo pata brenhas, penedias, gretas,
Vivo entre os pássaros, álacre alarido.
Feixe-de-neve é o revérbero de aletas
De asas que brilharam para os inimigos.
Eis que se avistam as rodas dos fadários,
Zunido horrível para a grei sonolenta.
Mas eu voava como roca estelária
Por ígneas, não nossas, ignotas sendas.
E quando eu tombava próximo da aurora
Os homens no espanto mudavam a face,
Estes suplicavam que eu me fosse embora,
Outros me rogando: que eu iluminasse.
Para o sal, para as estepes, onde os touros
Pastam balouçando chifres cor de treva,
E para o norte, para além, onde os troncos
Cantam como arcos de cordas retesas,
Coroado de coriscos o demônio
Voava, gênio branco, retorcendo a barba.
Ele ouve os uivos de hirsutas carantonhas
E o repicar das frigideiras de alarma.
"Sou corvo branco - dizia - e solitário,
Porém tudo, o lastro negro dos dilemas,
A alvinitente coroa de meus raios,
Tudo eu relego por um fantasma apenas:

Voar, voar, para os páramos de prata,
Ser mensageiro do bem, núncio da graça."

Junto ao poço se estilhaça
A água, para que os couros
Do arreio, na poça escassa,
Reflitam-se com seus ouros.
Correndo, cobra solerte,
O olho-d'água e o arroio
Gostariam, pouco a pouco,
De fugir e dissolver-se.
Que assim, tomadas a custo,
As botas de olhos escuros
Dela, ficassem mais verdes.
Arrolos, langor, desmaios,
A vergonha com seu tisne,
Janela, isbá, dos três lados
Ululam rebanhos pingues.
Na vara, baldes e flor,
No rio azul uma balsa.
"Toma este lenço de cor,
Minha algibeira está farta."

"Quem é ele? Que deseja?
Dedos rudes, mãos de fera!
É de mim que ele moteja
Rente à choupana paterna?
Que respondo, que contesto,
Ao moço dos olhos negros?
Cirandam dúvidas lestas!
E ao pai, direi meu segredo?"
'`É minha sina! Me abraso!"
Por que buscamos, com lábios,
O pó, varrido das tumbas,
Apagar nas chamas rubras?

Eis que para os píncaros extremos
Ergo vôo como o abutre, sinistro:
Com mirada senil considero o bulício terreno
Que, naquele instante, eu diviso.

1912[i][/i]

1 Este título que se consagrou, parece que não foi dado pelo poeta, mas pelo seu amigo David Burliuk.
  Segundo informação da Enciclopédia Britânica, O Cavalo de Prjeválski é a única espécie conhecida de cavalo selvagem; foi descoberto por M. M. Prjeválski, explorador tusso da Asia Central.


(Tradução: Augusto de Campos e Boris Schnaiderman)



O GRILO

Aleteando com a ourografia
Das veias finíssimas,
O grilo
Enche o grill do ventre-silo
Com muitas gramas e talos da ribeira.
- Pin, pin, pin! - taramela o zinziber.
Oh, cisnencanto!
Oh, ilumínios!

1908 ou 1909

(Tradução: Augusto de Campos e Boris Schnaiderman)



Tempos-juncos
Na margem do lago,
Onde as pedras são tempo,
Onde o tempo é de pedra.
No lago da margem,
Tempos, juncos,
Na margem do lago,
Santos, juntos.

1908 ou 1909

(Tradução: Augusto de Campos e Boris Schnaiderman).



A ENCANTAÇÃO PELO RISO

Ride, ridentes!
Derride, derridentes!
Risonhai aos risos, rimente risandai!
Derride sorrimente!
Risos sobrerrisos - risadas de sorrideiros risores!
Hílare esrir, risos de sobrerridores riseiros!
Sorrisonhos, risonhos,
Sorride, ridiculai, risando, risantes,
Hilariando, riando,
Ride, ridentes!
Derride, derridentes!

1910

(Tradução: Haroldo de Campos)



Quando morrem, os cavalos - respiram,
Quando morrem, as ervas - secam,
Quando morrem, os sóis - se apagam,
Quando morrem, os homens - cantam.

1913

(Tradução: Haroldo de Campos)





Eis-me levado em dorso elefantino,
Palanquim no elefante virgem-fúmeo.
Todas-me-amando, novo Vixnu,
Tramam, miragem nívea, o palanquim.

Músculos de elefante, balançai,
Armadilhas de caça, magníficas,
Para que sobre a terra a que descai
Agora tombe em tromba de carícias.

Brancas miragens, vós, com manchas negras,
Mais brancas do que a flor da cerejeira.
Vossas formas fremindo estão retesas
E flexíveis como plantas da treva.

Eu, no elefante branco, Bodhisattva,
Vou como antes, tenro, pensativo.
A virgem que me vê responde grata
Com flamas que são feitas de sorrisos.

Sabei que ser o peso elefantino
Jamais, em parte alguma, foi vergonha.
Trançai-vos em cerrado palanquim
Ó vós, enfeitiçadas pelo sonho.

Difícil imitar a pata larga.
Difícil ser o dente no seu curvo.
Cantos, coroas, santo som da flauta:
Conosco, sobre nós, o Olhiazul.


1913 (?) 1

1 Texto encontrado entre os rascunhos do poeta e estabelecido por N. Khárdjiev. Escrito provavelmente em 1913, sob a inspiração de uma miniatura indiana antiga, foi publicado somente em 1940, num livro de inéditos do poeta. O cineasta S. M. Eisenstein, que não poderia ter conhecido esses versos, impressionado com a mesma miniatura, reproduziu-a, com um comentário, em seu ensaio Montagem 1937, editado postumamente em 1964.

(Tradução: Haroldo de Campos)



Hoje de novo sigo a senda
Para a vida, o varejo, a venda,
E guio as hostes da poesia
Contra a maré da mercancia.

1914

(Tradução: Augusto de Campos)



Anos, paises, povos
Fogem no tempo
Como água corrente.
A natureza é espelho móvel,
Estrelas - redes; nós - os peixes;
Visões da treva - os deuses.

1916 (?)

(Tradução: Augusto de Campos)



Neste dia de ursos cerúleos
a correr sobre cílios tranqüilos
transvejo para além da água azul
o acordar na taça das pupilas.

Na colher de prata de olhos latos
vejo a procelária em mar sonoro
e ao largo vai a Rússia dos pássaros
transvoando entrecílios ignotos.

Marventoso em celamor soçobra
a vela de alguém na azul esfera,
e eis que o desespero tudo engolfa
trovão e porvir de primavera.

1918

(Tradução: Haroldo de Campos e Boris Schnaiderman)



Eu vi
Um vivo
Sol
Ou tom no
Outono
Só no
Sono
Azul.
Enquanto
Do canto
Dos teus calcanhares
Calcas os ares
Para o novelo
Da nebulosa,
Teu cotovelo
Em ângulo alvo
Alteando aos lábios.
Abril,
Abrir
A voz
As provas
De
Deus.
Consonha
Em vôo
Aberto
O abeto,
Colhe os
Olhos
Azuis
Com os laços
Das sobrancelhas
E dos pássaros
Cerúleos.
No anil
Há mil.

1919

(Tradução: Augusto de Campos e Boris Schnaiderman)
               



Uma vez mais, uma vez mais
Sou para você
Uma estrela.
Ai do marujo que tomar
O ângulo errado de marear
Por uma estrela:
Ele se despedaçará nas rochas,
Nos bancos sob o mar.
Ai de você, por tomar
O ângulo errado de amar
Comigo: você
Vai se despedaçar nas rochas
E as rochas hão de rir
Por fim
Como você riu
De mim.

1919-1921

(Tradução: Augusto de Campos)



O ÚNICO LIVRO

Vi que os negros Vedas,
o Evangelho e o Alcorão,
mais os livros dos mongóis
em suas tábuas de seda
- como as mulheres calmucas todas as manhãs -
ergueram juntos uma pira
de poeira da estepe
e odoroso estrume seco
e sobre ela pousaram.
Viúvas brancas veladas numa nuvem de fumo,
apressavam o advento
do livro único,
cujas páginas maiores que o mar
tremem como asas de borboletas safira,
e há um marcador de seda
no ponto onde o leitor parou os olhos.
Os grandes rios com sua torrente azul:
- o Volga, onde á noite celebram Rázin;
- o Nilo amarelo, onde imprecam ao Sol;
- o Yang-tze-kiang, onde há um denso lodo humano;
- e tu, Mississípi, onde os ianques
trajam calças de céu estrelado,
enrolando as pernas nas estrelas;
- e o Ganges, onde a gente escura são árvores de ciência;
- e o Danúbio, onde em branco homens brancos
de camisa branca pairam sobre a água;
- e o Zambeze, onde a gente é mais negra que uma bota;
- e o fogoso Obi, onde espancam o deus
e o voltam de olhos para a parede
quando comem iguarias gordurosas;
- e o Tâmisa, no seu tédio cinza.
O gênero humano é o leitor do livro.
Na capa, o timbre do artífice -
meu nome, em caracteres azuis.
Porém tu lês levianamente;
presta mais atenção:
és por demais aéreo, nada levas a sério.
Logo estarás lendo com fluência
- lições de uma lei divina -
estas cadeias de montanhas, estes mares imensos,
este livro único,
em cujas folhas salta a baleia
quando a águia dobrando a página no canto
desce sobre as ondas, mamas do mar,
e repousa no leito do falcão marinho.

1920

(Tradução de Haroldo de Campos)

Bardamute
Noites Brancas
Noites Brancas

Mensagens : 9
Data de inscrição : 29/10/2013

Ver perfil do usuário http://celinedecamisacastanha.blogspot.com.br/, bardamute.roon.i

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Victor Vladimirovitch Velimir Khlebnikov, da Calmúquia [Велими́р Хле́бников]

Mensagem por César em Dom Jun 22, 2014 9:54 pm

Tem o voluminho verde da Perspectiva também, Bardamute.

_________________
http://arecordfullofsournotes.tumblr.com

César
Púchkin
Púchkin

Mensagens : 1792
Data de inscrição : 11/07/2011
Idade : 28
Localização : São Paulo/SP

Ver perfil do usuário http://twitter.com/likeapisces

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Victor Vladimirovitch Velimir Khlebnikov, da Calmúquia [Велими́р Хле́бников]

Mensagem por Becco em Seg Jun 23, 2014 9:04 am

Never heardis.

_________________

Becco
Dostoiévski
Dostoiévski

Mensagens : 2504
Data de inscrição : 11/07/2011
Idade : 37
Localização : Fortaleza - CE

Ver perfil do usuário http://literaturarussa.forumeiros.com/

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Victor Vladimirovitch Velimir Khlebnikov, da Calmúquia [Велими́р Хле́бников]

Mensagem por Oric em Seg Jun 23, 2014 12:20 pm

Bom tópico, Bardamute.

Na biografia do Maiakovski fala muito dele. Estou para comprar o livrinho da Perspectiva mas sempre esqueço.

Oric
Crime e Castigo
Crime e Castigo

Mensagens : 947
Data de inscrição : 18/12/2012

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Victor Vladimirovitch Velimir Khlebnikov, da Calmúquia [Велими́р Хле́бников]

Mensagem por Conteúdo patrocinado Hoje à(s) 11:35 pm


Conteúdo patrocinado


Voltar ao Topo Ir em baixo

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo

- Tópicos similares

 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum