Suas últimas compras literárias

Página 6 de 40 Anterior  1 ... 5, 6, 7 ... 23 ... 40  Seguinte

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo

Re: Suas últimas compras literárias

Mensagem por tmanfrini em Dom Out 16, 2011 12:01 pm

Sblargh escreveu:

nom nom nom
Começando minha coleção de Schopenhauer no original.
Os dedos são uma compra mais antiga.
flower

tmanfrini
Guerra e Paz
Guerra e Paz

Mensagens : 1513
Data de inscrição : 29/09/2011
Idade : 24
Localização : Navegantes - SC

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Suas últimas compras literárias

Mensagem por Cássia em Dom Out 16, 2011 12:03 pm

tmanfrini escreveu:
Diva escreveu:
tmanfrini escreveu:
Diva escreveu:Último livro que comprei foi ontem: Histórias Íntimas, da Mary del Priore. No impulso mesmo. (e nem sei quando poderei ler)

Os últimos exemplares ficcionais que comprei foram O lobo da estepe, do Hesse, pra dar de presente pra um amigo. Uma hq erótica do Milo Manara e Persépolis. rabbit
Persépolis, muito respeito pela compra. Díficil eu dispender grana em HQ, mas há quem faça por mim de quando em quando.

Ninguém tem respeito pelo Milo Manara. elephant
Breve apreciarei à Gullivera.

I love you


Se possível, leia Sonhar... Talvez. Eu atorein.

Cássia
A Senhoria
A Senhoria

Mensagens : 409
Data de inscrição : 13/10/2011
Idade : 29
Localização : Teresina

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Suas últimas compras literárias

Mensagem por tmanfrini em Dom Out 16, 2011 12:08 pm

Diva escreveu:
tmanfrini escreveu:
Diva escreveu:
tmanfrini escreveu:
Diva escreveu:Último livro que comprei foi ontem: Histórias Íntimas, da Mary del Priore. No impulso mesmo. (e nem sei quando poderei ler)

Os últimos exemplares ficcionais que comprei foram O lobo da estepe, do Hesse, pra dar de presente pra um amigo. Uma hq erótica do Milo Manara e Persépolis. rabbit
Persépolis, muito respeito pela compra. Díficil eu dispender grana em HQ, mas há quem faça por mim de quando em quando.

Ninguém tem respeito pelo Milo Manara. elephant
Breve apreciarei à Gullivera.

I love you


Se possível, leia Sonhar... Talvez. Eu atorein.
Depois de Gullivera (Sei lá por quê quero tanto começar por ela). Thanks ;*

tmanfrini
Guerra e Paz
Guerra e Paz

Mensagens : 1513
Data de inscrição : 29/09/2011
Idade : 24
Localização : Navegantes - SC

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Mixarias atacadas recém aportadas

Mensagem por tmanfrini em Dom Out 16, 2011 1:30 pm


tmanfrini
Guerra e Paz
Guerra e Paz

Mensagens : 1513
Data de inscrição : 29/09/2011
Idade : 24
Localização : Navegantes - SC

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Suas últimas compras literárias

Mensagem por Jabá em Dom Out 16, 2011 2:10 pm

Diva escreveu:
tmanfrini escreveu:
Diva escreveu:
tmanfrini escreveu:
Diva escreveu:Último livro que comprei foi ontem: Histórias Íntimas, da Mary del Priore. No impulso mesmo. (e nem sei quando poderei ler)

Os últimos exemplares ficcionais que comprei foram O lobo da estepe, do Hesse, pra dar de presente pra um amigo. Uma hq erótica do Milo Manara e Persépolis. rabbit
Persépolis, muito respeito pela compra. Díficil eu dispender grana em HQ, mas há quem faça por mim de quando em quando.

Ninguém tem respeito pelo Milo Manara. elephant
Breve apreciarei à Gullivera.

I love you


Se possível, leia Sonhar... Talvez. Eu atorein.

Milo Manara pode ser um ótimo desenhista, mas suas histórias em termos de conteúdo são simplesmente sofríveis. A não ser que seja pra descascar uma punheta ou algo do gênero.

_________________
"Os livros que o mundo chama de imorais são os livros que mostram ao mundo a sua própria vergonha" (Oscar Wilde)

Jabá
Guerra e Paz
Guerra e Paz

Mensagens : 3734
Data de inscrição : 06/09/2011
Idade : 36
Localização : Teresina/PI

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Suas últimas compras literárias

Mensagem por tmanfrini em Dom Out 16, 2011 2:42 pm

Jabá escreveu:
Diva escreveu:
tmanfrini escreveu:
Diva escreveu:
tmanfrini escreveu:
Diva escreveu:Último livro que comprei foi ontem: Histórias Íntimas, da Mary del Priore. No impulso mesmo. (e nem sei quando poderei ler)

Os últimos exemplares ficcionais que comprei foram O lobo da estepe, do Hesse, pra dar de presente pra um amigo. Uma hq erótica do Milo Manara e Persépolis. rabbit
Persépolis, muito respeito pela compra. Díficil eu dispender grana em HQ, mas há quem faça por mim de quando em quando.

Ninguém tem respeito pelo Milo Manara. elephant
Breve apreciarei à Gullivera.

I love you


Se possível, leia Sonhar... Talvez. Eu atorein.

Milo Manara pode ser um ótimo desenhista, mas suas histórias em termos de conteúdo são simplesmente sofríveis. A não ser que seja pra descascar uma punheta ou algo do gênero.
(É, não tô esperando magnum opus do cara.)

tmanfrini
Guerra e Paz
Guerra e Paz

Mensagens : 1513
Data de inscrição : 29/09/2011
Idade : 24
Localização : Navegantes - SC

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Suas últimas compras literárias

Mensagem por Gourmet em Dom Out 16, 2011 3:19 pm

tmanfrini escreveu:
Jabá escreveu:
Diva escreveu:
tmanfrini escreveu:
Diva escreveu:
tmanfrini escreveu:
Diva escreveu:Último livro que comprei foi ontem: Histórias Íntimas, da Mary del Priore. No impulso mesmo. (e nem sei quando poderei ler)

Os últimos exemplares ficcionais que comprei foram O lobo da estepe, do Hesse, pra dar de presente pra um amigo. Uma hq erótica do Milo Manara e Persépolis. rabbit
Persépolis, muito respeito pela compra. Díficil eu dispender grana em HQ, mas há quem faça por mim de quando em quando.

Ninguém tem respeito pelo Milo Manara. elephant
Breve apreciarei à Gullivera.

I love you


Se possível, leia Sonhar... Talvez. Eu atorein.

Milo Manara pode ser um ótimo desenhista, mas suas histórias em termos de conteúdo são simplesmente sofríveis. A não ser que seja pra descascar uma punheta ou algo do gênero.
(É, não tô esperando magnum opus do cara.)
Mamilo Manara, é o que vocês estavam tentando escrever, né? Laughing

Gourmet
A Senhoria
A Senhoria

Mensagens : 665
Data de inscrição : 20/09/2011

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Suas últimas compras literárias

Mensagem por Cássia em Dom Out 16, 2011 4:06 pm

Jabá escreveu:
Diva escreveu:
tmanfrini escreveu:
Diva escreveu:
tmanfrini escreveu:
Diva escreveu:Último livro que comprei foi ontem: Histórias Íntimas, da Mary del Priore. No impulso mesmo. (e nem sei quando poderei ler)

Os últimos exemplares ficcionais que comprei foram O lobo da estepe, do Hesse, pra dar de presente pra um amigo. Uma hq erótica do Milo Manara e Persépolis. rabbit
Persépolis, muito respeito pela compra. Díficil eu dispender grana em HQ, mas há quem faça por mim de quando em quando.

Ninguém tem respeito pelo Milo Manara. elephant
Breve apreciarei à Gullivera.

I love you


Se possível, leia Sonhar... Talvez. Eu atorein.

Milo Manara pode ser um ótimo desenhista, mas suas histórias em termos de conteúdo são simplesmente sofríveis. A não ser que seja pra descascar uma punheta ou algo do gênero.

Concordo. Sonhar Talvez é a exceção. Se bem que acho que houve colaboração de outra pessoa.

As melhores coisas que já li dele foram Bórgia e El Gaucho, cujos roteiros não dele. Como desenhista, acho ele formidável. rabbit


Cássia
A Senhoria
A Senhoria

Mensagens : 409
Data de inscrição : 13/10/2011
Idade : 29
Localização : Teresina

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Suas últimas compras literárias

Mensagem por tmanfrini em Dom Out 16, 2011 4:24 pm

Ai ai, gente.
No mais tendo a preferir algo do veio do Boilet.

tmanfrini
Guerra e Paz
Guerra e Paz

Mensagens : 1513
Data de inscrição : 29/09/2011
Idade : 24
Localização : Navegantes - SC

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Suas últimas compras literárias

Mensagem por Cássia em Dom Out 16, 2011 4:29 pm

Garotas de Tóquio também é legal. Um excelente trabalho imagético.

Cássia
A Senhoria
A Senhoria

Mensagens : 409
Data de inscrição : 13/10/2011
Idade : 29
Localização : Teresina

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Suas últimas compras literárias

Mensagem por larapuentofinal em Dom Out 16, 2011 4:33 pm

Comprei "Olhar Escutar Ler" do saudoso Lévi-Srauss, livro que contém alguns ensaios sobre obras de arte com a profundidade e seriedade de sempre.



Nem conhecia o livro, estava perambulando pela Paulista qdo decidi entrar na Cultura e o vi em promoção (R$19,90). Fui meio impulsiva, nem li direito o conteúdo (acabei comprando porque vi que havia um estudo sobre Wagner), mas qual minha surpresa havia uma análise do poema "Voyelles", do Rimbaud:

VOGAIS

(Tradução de Augusto de Campos)

A negro, E branco, I rubro, U verde, O azul, vogais,
Ainda desvendarei seus mistérios latentes:
A, velado voar de moscas reluzentes
Que zumbem ao redor dos acres lodaçais;

E, nívea candidez de tendas areais,
Lanças de gelo, reis brancos, flores trementes;
I, escarro carmim, rubis a rir nos dentes
Da ira ou da ilusão em tristes bacanais;

U, curvas, vibrações verdes dos oceanos,
Paz de verduras, pas dos pastos, paz dos anos
Que as rugas vão urdindo entre brumas e escolhos;

O, supremo Clamor cheio de estranhos versos,
Silêncio assombrados de anjos e universos;
- Ó! Ômega, o sol violeta dos Seus olhos!


Em resumo, Rimbaud aplica o conceito sinestésico das correspondências do Baudelaire às vogais, associando-as a cores e sons específicos, que provocam uma série de novas sensações a quem lê o poema atentamente.

"A", vogal mais aberta e gritada, comumente é associada ao vermelho, mas Rimbaud escolheu uni-la ao preto (cor tão forte e profunda quanto o vermelho, Stendhal sabia disso bem).

"E" do poema é o "E" fechado ou mudo, que alguns fonólogos consideram como um não-fonema por seus elementos sonoros peculiares e ausência de sonoridade constante (contrário do nosso "é" ou do "è" francês). Rimbaud deu a ele a cor branca exatamente por isso, a oposição ao "A" é óbvia - o contraponto fonológico máximo corresponde ao contraponto igualmente máximo na escala pancromática (negro e branco).

Finalmente o vermelho (cor por excelência) aparece na letra "i", logo após sua cor oposta, o verde, na letra "u". No entanto, o "u" em francês tem um som diferente do nosso "u", o que faz lá não ser considerado o som oposto ao "i" como é em português (oposto do "i" em francês é o "ou", que não é vogal). Rimbaud escolheu o "u" porque era o que dispunha como contraponto sonoro mais próximo ao "i".

As quatro cores até aqui formam um sistema que reaparece no poema para qualificar as quatro primeiras vogais. Sobrou o azul do "O". Rimbaud poderia ter escolhido aqui também o amarelo, pois as duas cores foram outra oposição de cores. No entanto, acabou optando pelo azul, segundo o Strauss, pelo azul ser a cor mais saturada depois do vermelho, o que deixaria o amarelo para segundo plano, caso fosse usado.

Todos os poemas do Rimbaud estão cheio de referências a cores, nunca à toa. Ele pretende associar significados, formar homologias percebidas nas diferenças entre as funções de cores, sons e as sensações produzidas por eles em nós.

Lembrando que Rimbaud escreveu "Vogais" com 17 anos.

Legal, né?



larapuentofinal
Noites Brancas
Noites Brancas

Mensagens : 8
Data de inscrição : 24/09/2011
Idade : 28
Localização : São Paulo

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Suas últimas compras literárias

Mensagem por Sblargh em Dom Out 16, 2011 4:57 pm

Na faculdade esse semestre eu passei por um curso que envolvia Lévi-Strauss, focado no Conhecimento Selvagem e o que ele fala sobre arte lá é um pouco problemático, pois sofre do problema em que ele usa alguma consideração estética pra fechar um capítulo sobre outro assunto; então esse livro seu é importante, pois é onde ele tem a oportunidade de realmente elaborar sobre o assunto.
Eu não li, nem nada, só papagaiando a aula.

Sblargh
Noites Brancas
Noites Brancas

Mensagens : 26
Data de inscrição : 13/10/2011
Idade : 31

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Suas últimas compras literárias

Mensagem por tmanfrini em Dom Out 16, 2011 4:59 pm

Diva escreveu:Garotas de Tóquio também é legal. Um excelente trabalho imagético.
I love you

tmanfrini
Guerra e Paz
Guerra e Paz

Mensagens : 1513
Data de inscrição : 29/09/2011
Idade : 24
Localização : Navegantes - SC

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Suas últimas compras literárias

Mensagem por tmanfrini em Dom Out 16, 2011 5:09 pm

larapuentofinal escreveu:Comprei "Olhar Escutar Ler" do saudoso Lévi-Srauss, livro que contém alguns ensaios sobre obras de arte com a profundidade e seriedade de sempre.



Nem conhecia o livro, estava perambulando pela Paulista qdo decidi entrar na Cultura e o vi em promoção (R$19,90). Fui meio impulsiva, nem li direito o conteúdo (acabei comprando porque vi que havia um estudo sobre Wagner), mas qual minha surpresa havia uma análise do poema "Voyelles", do Rimbaud:

VOGAIS

(Tradução de Augusto de Campos)

A negro, E branco, I rubro, U verde, O azul, vogais,
Ainda desvendarei seus mistérios latentes:
A, velado voar de moscas reluzentes
Que zumbem ao redor dos acres lodaçais;

E, nívea candidez de tendas areais,
Lanças de gelo, reis brancos, flores trementes;
I, escarro carmim, rubis a rir nos dentes
Da ira ou da ilusão em tristes bacanais;

U, curvas, vibrações verdes dos oceanos,
Paz de verduras, pas dos pastos, paz dos anos
Que as rugas vão urdindo entre brumas e escolhos;

O, supremo Clamor cheio de estranhos versos,
Silêncio assombrados de anjos e universos;
- Ó! Ômega, o sol violeta dos Seus olhos!


Em resumo, Rimbaud aplica o conceito sinestésico das correspondências do Baudelaire às vogais, associando-as a cores e sons específicos, que provocam uma série de novas sensações a quem lê o poema atentamente.

"A", vogal mais aberta e gritada, comumente é associada ao vermelho, mas Rimbaud escolheu uni-la ao preto (cor tão forte e profunda quanto o vermelho, Stendhal sabia disso bem).

"E" do poema é o "E" fechado ou mudo, que alguns fonólogos consideram como um não-fonema por seus elementos sonoros peculiares e ausência de sonoridade constante (contrário do nosso "é" ou do "è" francês). Rimbaud deu a ele a cor branca exatamente por isso, a oposição ao "A" é óbvia - o contraponto fonológico máximo corresponde ao contraponto igualmente máximo na escala pancromática (negro e branco).

Finalmente o vermelho (cor por excelência) aparece na letra "i", logo após sua cor oposta, o verde, na letra "u". No entanto, o "u" em francês tem um som diferente do nosso "u", o que faz lá não ser considerado o som oposto ao "i" como é em português (oposto do "i" em francês é o "ou", que não é vogal). Rimbaud escolheu o "u" porque era o que dispunha como contraponto sonoro mais próximo ao "i".

As quatro cores até aqui formam um sistema que reaparece no poema para qualificar as quatro primeiras vogais. Sobrou o azul do "O". Rimbaud poderia ter escolhido aqui também o amarelo, pois as duas cores foram outra oposição de cores. No entanto, acabou optando pelo azul, segundo o Strauss, pelo azul ser a cor mais saturada depois do vermelho, o que deixaria o amarelo para segundo plano, caso fosse usado.

Todos os poemas do Rimbaud estão cheio de referências a cores, nunca à toa. Ele pretende associar significados, formar homologias percebidas nas diferenças entre as funções de cores, sons e as sensações produzidas por eles em nós.

Lembrando que Rimbaud escreveu "Vogais" com 17 anos.

Legal, né?


Bacana! Parabéns pelo impulso.
Dele pretendo ler O Cru e o Cozido assim que estiver com um nível de concentração razoável, além dalgumas leituras na frente. Quase dois anos atrás encontrei um trecho num artigo publicado no site da Cult, pag. 48 do Cru e o Cozido -
Na música, a mediação da natureza e da cultura, que se realiza no seio de toda linguagem, torna-se uma hipermediação: De ambos os lados, os ancoramentos são reforçados. Instalada no ponto de encontro entre dois domínios, a música faz com que sua lei seja respeitada muito além dos limites que as outras artes evitariam ultrapassar. Tanto do lado da natureza quanto do da cultura, ela ousa ir mais longe do que as outras. Assim se explica o princípio (Quando não a gênese e a operação, que continuam sendo, como dissemos, o grande mistério das ciências do homem) do poder extraordinário que possui a música de agir simultaneamente sobre o espírito e sobre os sentidos, de mover ao mesmo tempo as ideias e as emoções, de fundi-las numa corrente em que elas deixam de existir lado a lado, a não ser como testemunhas e como respondentes.

tmanfrini
Guerra e Paz
Guerra e Paz

Mensagens : 1513
Data de inscrição : 29/09/2011
Idade : 24
Localização : Navegantes - SC

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Suas últimas compras literárias

Mensagem por larapuentofinal em Dom Out 16, 2011 5:55 pm

tmanfrini escreveu:
larapuentofinal escreveu:Comprei "Olhar Escutar Ler" do saudoso Lévi-Srauss, livro que contém alguns ensaios sobre obras de arte com a profundidade e seriedade de sempre.



Nem conhecia o livro, estava perambulando pela Paulista qdo decidi entrar na Cultura e o vi em promoção (R$19,90). Fui meio impulsiva, nem li direito o conteúdo (acabei comprando porque vi que havia um estudo sobre Wagner), mas qual minha surpresa havia uma análise do poema "Voyelles", do Rimbaud:

VOGAIS

(Tradução de Augusto de Campos)

A negro, E branco, I rubro, U verde, O azul, vogais,
Ainda desvendarei seus mistérios latentes:
A, velado voar de moscas reluzentes
Que zumbem ao redor dos acres lodaçais;

E, nívea candidez de tendas areais,
Lanças de gelo, reis brancos, flores trementes;
I, escarro carmim, rubis a rir nos dentes
Da ira ou da ilusão em tristes bacanais;

U, curvas, vibrações verdes dos oceanos,
Paz de verduras, pas dos pastos, paz dos anos
Que as rugas vão urdindo entre brumas e escolhos;

O, supremo Clamor cheio de estranhos versos,
Silêncio assombrados de anjos e universos;
- Ó! Ômega, o sol violeta dos Seus olhos!


Em resumo, Rimbaud aplica o conceito sinestésico das correspondências do Baudelaire às vogais, associando-as a cores e sons específicos, que provocam uma série de novas sensações a quem lê o poema atentamente.

"A", vogal mais aberta e gritada, comumente é associada ao vermelho, mas Rimbaud escolheu uni-la ao preto (cor tão forte e profunda quanto o vermelho, Stendhal sabia disso bem).

"E" do poema é o "E" fechado ou mudo, que alguns fonólogos consideram como um não-fonema por seus elementos sonoros peculiares e ausência de sonoridade constante (contrário do nosso "é" ou do "è" francês). Rimbaud deu a ele a cor branca exatamente por isso, a oposição ao "A" é óbvia - o contraponto fonológico máximo corresponde ao contraponto igualmente máximo na escala pancromática (negro e branco).

Finalmente o vermelho (cor por excelência) aparece na letra "i", logo após sua cor oposta, o verde, na letra "u". No entanto, o "u" em francês tem um som diferente do nosso "u", o que faz lá não ser considerado o som oposto ao "i" como é em português (oposto do "i" em francês é o "ou", que não é vogal). Rimbaud escolheu o "u" porque era o que dispunha como contraponto sonoro mais próximo ao "i".

As quatro cores até aqui formam um sistema que reaparece no poema para qualificar as quatro primeiras vogais. Sobrou o azul do "O". Rimbaud poderia ter escolhido aqui também o amarelo, pois as duas cores foram outra oposição de cores. No entanto, acabou optando pelo azul, segundo o Strauss, pelo azul ser a cor mais saturada depois do vermelho, o que deixaria o amarelo para segundo plano, caso fosse usado.

Todos os poemas do Rimbaud estão cheio de referências a cores, nunca à toa. Ele pretende associar significados, formar homologias percebidas nas diferenças entre as funções de cores, sons e as sensações produzidas por eles em nós.

Lembrando que Rimbaud escreveu "Vogais" com 17 anos.

Legal, né?


Bacana! Parabéns pelo impulso.
Dele pretendo ler O Cru e o Cozido assim que estiver com um nível de concentração razoável, além dalgumas leituras na frente. Quase dois anos atrás encontrei um trecho num artigo publicado no site da Cult, pag. 48 do Cru e o Cozido -
Na música, a mediação da natureza e da cultura, que se realiza no seio de toda linguagem, torna-se uma hipermediação: De ambos os lados, os ancoramentos são reforçados. Instalada no ponto de encontro entre dois domínios, a música faz com que sua lei seja respeitada muito além dos limites que as outras artes evitariam ultrapassar. Tanto do lado da natureza quanto do da cultura, ela ousa ir mais longe do que as outras. Assim se explica o princípio (Quando não a gênese e a operação, que continuam sendo, como dissemos, o grande mistério das ciências do homem) do poder extraordinário que possui a música de agir simultaneamente sobre o espírito e sobre os sentidos, de mover ao mesmo tempo as ideias e as emoções, de fundi-las numa corrente em que elas deixam de existir lado a lado, a não ser como testemunhas e como respondentes.

Muito bom esse trecho! Acho que o contato com uma obra de arte, qualquer que seja, deve vir anexa a esse tipo de aprofundamento que estudiosos como ele proporcionam. Senão a coisa fica nível novela Rede Globo.

larapuentofinal
Noites Brancas
Noites Brancas

Mensagens : 8
Data de inscrição : 24/09/2011
Idade : 28
Localização : São Paulo

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Suas últimas compras literárias

Mensagem por tmanfrini em Dom Out 16, 2011 6:07 pm

larapuentofinal escreveu:
tmanfrini escreveu:
larapuentofinal escreveu:Comprei "Olhar Escutar Ler" do saudoso Lévi-Srauss, livro que contém alguns ensaios sobre obras de arte com a profundidade e seriedade de sempre.



Nem conhecia o livro, estava perambulando pela Paulista qdo decidi entrar na Cultura e o vi em promoção (R$19,90). Fui meio impulsiva, nem li direito o conteúdo (acabei comprando porque vi que havia um estudo sobre Wagner), mas qual minha surpresa havia uma análise do poema "Voyelles", do Rimbaud:

VOGAIS

(Tradução de Augusto de Campos)

A negro, E branco, I rubro, U verde, O azul, vogais,
Ainda desvendarei seus mistérios latentes:
A, velado voar de moscas reluzentes
Que zumbem ao redor dos acres lodaçais;

E, nívea candidez de tendas areais,
Lanças de gelo, reis brancos, flores trementes;
I, escarro carmim, rubis a rir nos dentes
Da ira ou da ilusão em tristes bacanais;

U, curvas, vibrações verdes dos oceanos,
Paz de verduras, pas dos pastos, paz dos anos
Que as rugas vão urdindo entre brumas e escolhos;

O, supremo Clamor cheio de estranhos versos,
Silêncio assombrados de anjos e universos;
- Ó! Ômega, o sol violeta dos Seus olhos!


Em resumo, Rimbaud aplica o conceito sinestésico das correspondências do Baudelaire às vogais, associando-as a cores e sons específicos, que provocam uma série de novas sensações a quem lê o poema atentamente.

"A", vogal mais aberta e gritada, comumente é associada ao vermelho, mas Rimbaud escolheu uni-la ao preto (cor tão forte e profunda quanto o vermelho, Stendhal sabia disso bem).

"E" do poema é o "E" fechado ou mudo, que alguns fonólogos consideram como um não-fonema por seus elementos sonoros peculiares e ausência de sonoridade constante (contrário do nosso "é" ou do "è" francês). Rimbaud deu a ele a cor branca exatamente por isso, a oposição ao "A" é óbvia - o contraponto fonológico máximo corresponde ao contraponto igualmente máximo na escala pancromática (negro e branco).

Finalmente o vermelho (cor por excelência) aparece na letra "i", logo após sua cor oposta, o verde, na letra "u". No entanto, o "u" em francês tem um som diferente do nosso "u", o que faz lá não ser considerado o som oposto ao "i" como é em português (oposto do "i" em francês é o "ou", que não é vogal). Rimbaud escolheu o "u" porque era o que dispunha como contraponto sonoro mais próximo ao "i".

As quatro cores até aqui formam um sistema que reaparece no poema para qualificar as quatro primeiras vogais. Sobrou o azul do "O". Rimbaud poderia ter escolhido aqui também o amarelo, pois as duas cores foram outra oposição de cores. No entanto, acabou optando pelo azul, segundo o Strauss, pelo azul ser a cor mais saturada depois do vermelho, o que deixaria o amarelo para segundo plano, caso fosse usado.

Todos os poemas do Rimbaud estão cheio de referências a cores, nunca à toa. Ele pretende associar significados, formar homologias percebidas nas diferenças entre as funções de cores, sons e as sensações produzidas por eles em nós.

Lembrando que Rimbaud escreveu "Vogais" com 17 anos.

Legal, né?


Bacana! Parabéns pelo impulso.
Dele pretendo ler O Cru e o Cozido assim que estiver com um nível de concentração razoável, além dalgumas leituras na frente. Quase dois anos atrás encontrei um trecho num artigo publicado no site da Cult, pag. 48 do Cru e o Cozido -
Na música, a mediação da natureza e da cultura, que se realiza no seio de toda linguagem, torna-se uma hipermediação: De ambos os lados, os ancoramentos são reforçados. Instalada no ponto de encontro entre dois domínios, a música faz com que sua lei seja respeitada muito além dos limites que as outras artes evitariam ultrapassar. Tanto do lado da natureza quanto do da cultura, ela ousa ir mais longe do que as outras. Assim se explica o princípio (Quando não a gênese e a operação, que continuam sendo, como dissemos, o grande mistério das ciências do homem) do poder extraordinário que possui a música de agir simultaneamente sobre o espírito e sobre os sentidos, de mover ao mesmo tempo as ideias e as emoções, de fundi-las numa corrente em que elas deixam de existir lado a lado, a não ser como testemunhas e como respondentes.

Muito bom esse trecho! Acho que o contato com uma obra de arte, qualquer que seja, deve vir anexa a esse tipo de aprofundamento que estudiosos como ele proporcionam. Senão a coisa fica nível novela Rede Globo.
Concordo, só não resolutamente quanto ao preciso nível. pirat

tmanfrini
Guerra e Paz
Guerra e Paz

Mensagens : 1513
Data de inscrição : 29/09/2011
Idade : 24
Localização : Navegantes - SC

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Suas últimas compras literárias

Mensagem por Becco em Dom Out 16, 2011 6:29 pm

As mulheres estão tomando conta desse fórum! Oba!

_________________

Becco
Dostoiévski
Dostoiévski

Mensagens : 2504
Data de inscrição : 11/07/2011
Idade : 37
Localização : Fortaleza - CE

Ver perfil do usuário http://literaturarussa.forumeiros.com/

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Suas últimas compras literárias

Mensagem por tmanfrini em Dom Out 16, 2011 6:42 pm

Lorenzo Becco escreveu:As mulheres estão tomando conta desse fórum! Oba!
Também pensei nisso essa tarde mesmo.

tmanfrini
Guerra e Paz
Guerra e Paz

Mensagens : 1513
Data de inscrição : 29/09/2011
Idade : 24
Localização : Navegantes - SC

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Suas últimas compras literárias

Mensagem por Mat em Seg Out 17, 2011 2:02 pm

Comprei ontem na cultura, depois de juntar dois meses de salário:

Sodoma e Gomorra - Proust
A dama das espadas - Púchkin
Monsieur Pain - Bolaño
Molloy - Beckett
Gente de Hemsö - Strindberg

Mat
Guerra e Paz
Guerra e Paz

Mensagens : 2968
Data de inscrição : 12/07/2011
Idade : 26
Localização : Bahia

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Suas últimas compras literárias

Mensagem por César em Seg Out 17, 2011 2:15 pm

Proust


_________________
http://arecordfullofsournotes.tumblr.com

César
Púchkin
Púchkin

Mensagens : 1792
Data de inscrição : 11/07/2011
Idade : 28
Localização : São Paulo/SP

Ver perfil do usuário http://twitter.com/likeapisces

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Suas últimas compras literárias

Mensagem por tmanfrini em Seg Out 17, 2011 2:46 pm

Mat escreveu:Comprei ontem na cultura, depois de juntar dois meses de salário:

Sodoma e Gomorra - Proust
A dama das espadas - Púchkin
Monsieur Pain - Bolaño
Molloy - Beckett
Gente de Hemsö - Strindberg
Comenta sobre esse Strindberg quando ler?
Exclamation

tmanfrini
Guerra e Paz
Guerra e Paz

Mensagens : 1513
Data de inscrição : 29/09/2011
Idade : 24
Localização : Navegantes - SC

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Suas últimas compras literárias

Mensagem por Cássia em Seg Out 17, 2011 3:23 pm

Dicionário de Análide do Discurso, Charaudeau e Maingueneau
Modernidade e Identidade, Giddens
Latino-americanos à Procura de um Lugar Neste Século, Canclini
Discurso e Mudança Social, Fairclough
Marxismo e Filosofia da Linguagem, Bakthin
Epistemologia da Comunicação, Lopes

Cássia
A Senhoria
A Senhoria

Mensagens : 409
Data de inscrição : 13/10/2011
Idade : 29
Localização : Teresina

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Suas últimas compras literárias

Mensagem por Deco em Seg Out 17, 2011 5:29 pm

E Depois Natsume Soseki
Herzog Saul Bellow
O Duplo Dostoievski
A Letra Escarlate Hawthorne
Lacrimae Rerum Slavoj Zizek

Soseki acabei comprando por que desconheço completamente a literatura Japonesa e já compararam o estilo dele ao de Machado principalmente em seu livro Eu sou um gato q provavelmente sera minha próxima aquisição.
Aqui um link sobre Soseki a quem interessar:http://www.meiapalavra.com.br/showthread.php/16213-Natsume-Soseki

Deco
Ana Karenina
Ana Karenina

Mensagens : 305
Data de inscrição : 23/07/2011
Idade : 27

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Suas últimas compras literárias

Mensagem por Mat em Seg Out 17, 2011 9:38 pm

larapuentofinal escreveu:Comprei "Olhar Escutar Ler" do saudoso Lévi-Srauss, livro que contém alguns ensaios sobre obras de arte com a profundidade e seriedade de sempre.



Nem conhecia o livro, estava perambulando pela Paulista qdo decidi entrar na Cultura e o vi em promoção (R$19,90). Fui meio impulsiva, nem li direito o conteúdo (acabei comprando porque vi que havia um estudo sobre Wagner), mas qual minha surpresa havia uma análise do poema "Voyelles", do Rimbaud:

VOGAIS

(Tradução de Augusto de Campos)

A negro, E branco, I rubro, U verde, O azul, vogais,
Ainda desvendarei seus mistérios latentes:
A, velado voar de moscas reluzentes
Que zumbem ao redor dos acres lodaçais;

E, nívea candidez de tendas areais,
Lanças de gelo, reis brancos, flores trementes;
I, escarro carmim, rubis a rir nos dentes
Da ira ou da ilusão em tristes bacanais;

U, curvas, vibrações verdes dos oceanos,
Paz de verduras, pas dos pastos, paz dos anos
Que as rugas vão urdindo entre brumas e escolhos;

O, supremo Clamor cheio de estranhos versos,
Silêncio assombrados de anjos e universos;
- Ó! Ômega, o sol violeta dos Seus olhos!


Em resumo, Rimbaud aplica o conceito sinestésico das correspondências do Baudelaire às vogais, associando-as a cores e sons específicos, que provocam uma série de novas sensações a quem lê o poema atentamente.

"A", vogal mais aberta e gritada, comumente é associada ao vermelho, mas Rimbaud escolheu uni-la ao preto (cor tão forte e profunda quanto o vermelho, Stendhal sabia disso bem).

"E" do poema é o "E" fechado ou mudo, que alguns fonólogos consideram como um não-fonema por seus elementos sonoros peculiares e ausência de sonoridade constante (contrário do nosso "é" ou do "è" francês). Rimbaud deu a ele a cor branca exatamente por isso, a oposição ao "A" é óbvia - o contraponto fonológico máximo corresponde ao contraponto igualmente máximo na escala pancromática (negro e branco).

Finalmente o vermelho (cor por excelência) aparece na letra "i", logo após sua cor oposta, o verde, na letra "u". No entanto, o "u" em francês tem um som diferente do nosso "u", o que faz lá não ser considerado o som oposto ao "i" como é em português (oposto do "i" em francês é o "ou", que não é vogal). Rimbaud escolheu o "u" porque era o que dispunha como contraponto sonoro mais próximo ao "i".

As quatro cores até aqui formam um sistema que reaparece no poema para qualificar as quatro primeiras vogais. Sobrou o azul do "O". Rimbaud poderia ter escolhido aqui também o amarelo, pois as duas cores foram outra oposição de cores. No entanto, acabou optando pelo azul, segundo o Strauss, pelo azul ser a cor mais saturada depois do vermelho, o que deixaria o amarelo para segundo plano, caso fosse usado.

Todos os poemas do Rimbaud estão cheio de referências a cores, nunca à toa. Ele pretende associar significados, formar homologias percebidas nas diferenças entre as funções de cores, sons e as sensações produzidas por eles em nós.

Lembrando que Rimbaud escreveu "Vogais" com 17 anos.

Legal, né?




Você tem problemas com as traduções do Ivo? Olha, eu tenho viu. Apesar de ter a obra completa do moleque aí traduzida por ele, em alguns momentos chego a ficar extremamente irritado com a falta de radicalismo em suas traduções. Tem adjetivos que ele escolhe que deixa Rimbaud muito morno, coisa que ele nunca foi.

Em poemas como "As primeiras comunhões", eu gosto muito dessa tradução aqui:

Estrofe IX

E a alma pestilenta, a alma desolada,
Sente Tuas pragas escorrer-lhe à cabeça.
Faz sua cama no teu ódio lavado,
troca a paixão pela imagem da morte,

Cristo! Ó Cristo, eterno ladrão de energia!
Deus na cruz, cuja a palidez se vale
De mulheres pregadas ao chão, com culpa,
Enxaqueca ou desmaiadas de dor.



Agora, convenhamos que o Ivo construiu um trabalho antológico de notas de rodapé. Já passei uma tarde só lendo aquelas notas. E sua tradução é bem fiel, só acho que às vezes essa busca por fidelidade, em alguns casos, deixa a poesia muito hermética.

Mat
Guerra e Paz
Guerra e Paz

Mensagens : 2968
Data de inscrição : 12/07/2011
Idade : 26
Localização : Bahia

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Suas últimas compras literárias

Mensagem por Becco em Seg Out 17, 2011 10:18 pm

larapuentofinal escreveu:VOGAIS

(Tradução de Augusto de Campos)

A negro, E branco, I rubro, U verde, O azul, vogais,
Ainda desvendarei seus mistérios latentes:
A, velado voar de moscas reluzentes
Que zumbem ao redor dos acres lodaçais;

E, nívea candidez de tendas areais,
Lanças de gelo, reis brancos, flores trementes;
I, escarro carmim, rubis a rir nos dentes
Da ira ou da ilusão em tristes bacanais;

U, curvas, vibrações verdes dos oceanos,
Paz de verduras, pas dos pastos, paz dos anos
Que as rugas vão urdindo entre brumas e escolhos;

O, supremo Clamor cheio de estranhos versos,
Silêncio assombrados de anjos e universos;
- Ó! Ômega, o sol violeta dos Seus olhos!


Em resumo, Rimbaud aplica o conceito sinestésico das correspondências do Baudelaire às vogais, associando-as a cores e sons específicos, que provocam uma série de novas sensações a quem lê o poema atentamente.

"A", vogal mais aberta e gritada, comumente é associada ao vermelho, mas Rimbaud escolheu uni-la ao preto (cor tão forte e profunda quanto o vermelho, Stendhal sabia disso bem).

"E" do poema é o "E" fechado ou mudo, que alguns fonólogos consideram como um não-fonema por seus elementos sonoros peculiares e ausência de sonoridade constante (contrário do nosso "é" ou do "è" francês). Rimbaud deu a ele a cor branca exatamente por isso, a oposição ao "A" é óbvia - o contraponto fonológico máximo corresponde ao contraponto igualmente máximo na escala pancromática (negro e branco).

Finalmente o vermelho (cor por excelência) aparece na letra "i", logo após sua cor oposta, o verde, na letra "u". No entanto, o "u" em francês tem um som diferente do nosso "u", o que faz lá não ser considerado o som oposto ao "i" como é em português (oposto do "i" em francês é o "ou", que não é vogal). Rimbaud escolheu o "u" porque era o que dispunha como contraponto sonoro mais próximo ao "i".

As quatro cores até aqui formam um sistema que reaparece no poema para qualificar as quatro primeiras vogais. Sobrou o azul do "O". Rimbaud poderia ter escolhido aqui também o amarelo, pois as duas cores foram outra oposição de cores. No entanto, acabou optando pelo azul, segundo o Strauss, pelo azul ser a cor mais saturada depois do vermelho, o que deixaria o amarelo para segundo plano, caso fosse usado.

Todos os poemas do Rimbaud estão cheio de referências a cores, nunca à toa. Ele pretende associar significados, formar homologias percebidas nas diferenças entre as funções de cores, sons e as sensações produzidas por eles em nós.

Lembrando que Rimbaud escreveu "Vogais" com 17 anos.

Legal, né?

Legal é pouco! Sensacional!

tmanfrini escreveu:Também pensei nisso essa tarde mesmo.

Não é ótimo?
Discussões de alto nível enquanto os homens se xingam e postam memes!


Mat escreveu:Monsieur Pain - Bolaño

Pra terminar minha coleção bolañesca só estão faltando esse e o Terceiro Reich!
Aceito doações, podem ser usados!



_________________

Becco
Dostoiévski
Dostoiévski

Mensagens : 2504
Data de inscrição : 11/07/2011
Idade : 37
Localização : Fortaleza - CE

Ver perfil do usuário http://literaturarussa.forumeiros.com/

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Suas últimas compras literárias

Mensagem por Conteúdo patrocinado Hoje à(s) 7:42 am


Conteúdo patrocinado


Voltar ao Topo Ir em baixo

Página 6 de 40 Anterior  1 ... 5, 6, 7 ... 23 ... 40  Seguinte

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo

- Tópicos similares

 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum